XX Europeu de Basquetebol Feminino, 1985, Itália: mais um para a URSS

fiba 6

 

Mais um Europeu de Basquetebol Feminino mais um título incontestável, indiscutível e…que pareceu fácil, aliás, muito fácil! Para se ter uma ideia, o jogo mais renhido da União Soviética foi o primeiro diante do país organizador a Itália, que acabou com uma vantagem de 18 pontos para as russas! De resto, margens de mais de vinte pontos, inclusive na final triunfo por 103-69, contra a Bulgária, o que demonstra a diferença e o domínio da URSS no panorama do basquetebol europeu feminino. Domínio que só se perdeu com a desintegração desta nação no início da década 90. O primeiro Europeu disto foi nos anos 30, com a vitória da Itália. Desde aí, até 1985, só um título fugiu às russas; que mais é preciso dizer?! Em 1985, na Itália, ninguém foi capaz de sequer equilibrar os jogos. Nada a dizer uma hegemonia absoluta.

 

1985: Itália: URSS    
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo B) Itália 75-57
      Bélgica 95-46
      Hungria 87-65
      Polónia 77-51
      Espanha 115-42
    Meias-finais Checoslováquia 111-43
    FINAL Bulgária 103-69
         
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

 

Anúncios

XIX Europeu de Basquetebol Feminino, 1983, Hungria: mais um para a URSS

fiba 3

 

Mais um Europeu Feminino de Basquetebol, Hungria, 1983, mais um título para a União Soviética. A hegemonia continuava e continuaria durante a década de 80. Nada a dizer! Venceram todos os jogos. Todos por mais de vinte pontos. A final foi o mais “renhido”: triunfo diante da Bulgária por 91-70, isto é, vinte e um pontos de vantagem. E este foi o mais equilibrado! Um autêntico passeio rumo a mais um campeonato. A nível europeu, nesta altura, as russas faziam o que queriam. Não tinham oposição à altura. As outras seleções cingiam-se a lutar pelos outros dois lugares do pódio, prata e bronze. De resto, simplesmente, ninguém era capaz de se opor ao império soviético. Há muito tempo que isto sucedia e as coisas pareciam longe de se vislumbrar uma mudança. Só nos anos 90 é que tudo se alteraria.

 

1983, Hungria: URSS    
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo B) Suécia 105-74
      Bulgária 108-60
      Checoslováquia 97-55
      RFA 115-56
      Itália 83-53
    Meias-finais Hungria 103-69
    FINAL Bulgária 91-70
         
         
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro

XIX Europeu de Basquetebol, 1975, Jugoslávia: título para os anfitriões

fiba 2

 

Depois do título de 1973, pondo fim à hegemonia soviética, em casa, a Jugoslávia alcançou o bi, somando o título de 1975 ao de dois anos atrás. Um campeonato em que não houve final. Houve sim um grupo final de cinco equipas, todos contra todos, acumulando o resultado da primeira fase de grupos da outra seleção qualificada do mesmo grupo, onde quem ganhasse mais encontros era campeã. A Jugoslávia transitou com uma vitória frente à Itália conseguida na primeira fase de grupos e venceu os outros quatro atingindo assim o seu segundo troféu, o seu segundo campeonato. Apenas a vitória, decisiva na atribuição do título, diante da União Soviética, foi por menos de dez pontos, seis no caso (90-84). De resto, tudo triunfos concludentes. Assim, a Jugoslávia somou o seu segundo Eurobasket. E esta geração ainda não tinha acabado.

 

1975, Jugoslávia: Jugoslávia    
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo A) Holanda 102-76
      Turquia 92-65
      Itália 83-69
    2ªfase (Grupo II) [Itália 83-69] -resultado que transita da 1ªfase acumulando aos jogos desta fase final
      Espanha 98-76
      Checoslováquia 84-68
      Bulgária 105-76
      URSS 90-84
         
         
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

XVIII Europeu de Basquetebol Feminino, 1981, Itália: mais um para a União Soviética

fiba 2

 

1981, Itália: URSS    
   
       
       
       
  1ªfase (Grupo B) Hungria 94-68
    Roménia 90-40
    Checoslováquia 99-58
    Suécia 95-60
    Bulgária 111-78
  Meias-finais Jugoslávia 94-60
  FINAL Polónia 85-42
     

 

Mais um campeonato, mais um título para União Soviética. Mais uma vez um passeio. Venceram todos os jogos por pelo menos 25 pontos. O mais “renhido” foi contra a Hungria, com uma vitória por 26 pontos. Isto demonstra o poderio e a hegemonia das soviéticas. Simplesmente, à altura, não tinham rival. Não tinham ninguém que pudesse mostrar ou rivalizar com estas. E seria um domínio que se estenderia até à dissolução da União Soviética, embora, as coisas se equilibrassem um bocado mais para diante na década de 80. Mas no início desta, ninguém oferecia resistência a estas fantásticas equipas soviéticas.

XVII Europeu de Voleibol Feminino, 1991, Itália: título soviético

1991, Itália: URSS    
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo 1) Bulgária 3-0 (15-7,15-2,15-11)
      França 3-0 (15-6,15-11,15-13)
      Albânia 3-0 (15-2,15-7,15-6)
      Grécia 3-0 (15-7,15-2,15-3)
      Itália 3-0 (15-6,15-6,15-9)
    Meias-finais Alemanha 3-0 (15-6,15-3,15-11)
    FINAL Holanda 3-0 (15-4,15-2,15-3)
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

O Europeu de voleibol feminino de 1991 disputou-se na Itália. Mais uma vez com o vencedor do costume: a União Soviética. A última vez que esta nação participou nesta prova, pois, pouco depois subdividiu-se em vários países. A Rússia seria a sua sucessora pois era a potência colonizadora. Quanto à prova nada à dizer quanto à justeza da sua vitória. Não cedeu qualquer set. Poucos vezes concedeu mais de dez pontos em cada set (recorde-se que isto ainda era a pontuação antiga onde só se marcava pontos no próprio serviço e era até aos quinze). Foi um autêntico passeio rumo a mais um título. O último como URSS. Ao contrário dos masculinos, nos femininos a Rússia não ficou muito abalada com este fim, pois conquistou mais alguns. Nos homens apenas mais um em 2013.

fpv 2

A grande surpresa do campeonato soviético: 1972, Zorya Lugansk

uefa-2

 

 

1972 J V E D GOLOS P
1-Zorya Voroshilovgrad 30 15 10  5 52-30 40
2-Dínamo Kiev 30 12 11  7 52-38 35
3-Dínamo Tbilissi 30 12 11  7 41-34 35
4-Ararat Erevan 30 12 10  8 38-29 34
5-CSKA Moscovo 30 15  4 11 37-33 34
6-Dnipro 30 12 10  8 37-37 34
7-Zenit Leninegrado 30 11 11  8 44-30 33
8-Dínamo Minsk 30 10 11  9 27-28 31
9-Torpedo Moscovo 30 11  9 10 31-33 31
10-Dínamo Moscovo 30 12  6 12 39-35 30
11-Spartak Moscovo 30  8 10 12 29-30 26
12-SKA Rostov-na-Donu 30  8 10 12 31-35 26
13-Kairat Alma-Ata 30  6 14 10 23-27 26
14-Karpaty Lviv 30  8  8 14 27-43 24
15-Lokomotiv Moscovo 30  6  9 15 29-48 21
16-Neftçi Baku 30  6  8 16 28-55 20

A grande surpresa do império soviético, no seu futebol, no seu campeonato. Foi, de facto, a grande sensação desta liga até ao seu fim. Albergava equipas de várias zonas deste país, algumas, agora, são partes integrantes de países independentes da Rússia, após o fim da União Soviética.

Este clube, com outro nome na altura, devido ao comunismo, agora designado Zorya Luhansk, que participou este ano na Liga Europa, no grupo do Manchester United, de José Mourinho. Diga-se que este emblema só tem quatro presenças nas competições europeias: três na agora Liga Europa, nos últimos três anos e uma na agora Liga dos Campeões, então Taça dos Campeões.

É desta presença que me leva a falar de surpresa, a única em todo o século XX, isto contando desde a criação da Taça dos Campeões em 1955-56 e da Taça das Feiras, também em 1955, embora tenha demorado três anos a ser finalizada. Assim, em 1973-74, este clube ucraniano, representou a URSS, na maior competição da Europa, chegando aos oitavos-de-final. Para isso acontecer foi campeão soviético, em 1972, ficando à frente dos clubes da metrópole Moscovo, e de outros como o Dínamo Kiev (agora Ucrânia) e o Dínamo Tbilissi (Geórgia). Um campeonato ganho com alguma vantagem, cinco pontos (na altura as vitórias valiam dois pontos) e totalmente surpreendente. Tão inesperado, que só mais ou menos quarenta anos depois é que voltaram a participar nas competições europeias, desta vez representando a Ucrânia. Como o mundo mudou nesse hiato temporal!

 

 

XIV Europeu de Basquetebol Feminino, 1974, Itália: mais um para a União Soviética

1974-Itália:
URSS
   
 
 
  1ªfase (Grupo A) RFA 106-47
  Hungria 80-64
  Jugoslávia 91-53
  Fase Final [Hungria 80-64] -resultado que transita da 1ªfase acumulando aos jogos desta fase final
  Checoslováquia 104-58
  Roménia 99-41
  França 84-38
  Bulgária 95-69
  Itália 81-32
 
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

O Eurobasket Feminino de 1974 realizou-se na Itália. Mais uma vez ganharam as soviéticas, sem que se possa sequer questionar o mérito e a justeza dessa conquista. Venceram os jogos todos. O mais equilibrado foi frente à Hungria na primeira fase de grupos, onde triunfaram por 16 pontos. De resto, tudo vitórias por mais de vinte pontos, incluindo na poule final, onde festejaram sempre por mais de 25 pontos. E as russas continuavam a passear classe e superioridade neste evento. Nada a dizer quanto ao mérito desta conquista.

fiba 2

XIV Europeu de Voleibol Feminino, 1985, Holanda: título soviético

1985-Holanda:      
URSS      
         
         
         
    1ªfase (Grupo 2) Polónia 3-1 (15-1,15-6,6-15,15-9)
      RFA 3-0 (15-1,15-6,15-11)
      França 3-0 (15-6,15-10,15-6)
    Fase Final [RFA 3-0 (15-1,15-6,15-11)] -resultado que transita da 1ªfase acumulando aos jogos desta fase final
      Holanda 3-2 (13-15,9-15,15-6,15-9,15-6)
      Itália 3-0 (15-9,15-9,15-6)
      Checoslováquia 3-0 (15-9,15-7,15-8)
      RDA 3-0 (15-11,15-10,15-8)
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

O Europeu de voleibol feminino de 1985 realizou-se na Holanda. O campeão foi o quase mesmo de sempre: a União Soviética. Mais uma vez, um percurso imaculado: ganhou todos os jogos. Cedeu apenas três sets, dois no seu jogo mais complicado frente aos anfitriões; o outro set perdido foi contra a Polónia, no seu primeiro jogo no torneio. Aos restantes, aplicou três sets a zero, na maioria dos casos, não muito equilibrados. Mais um passeio das russas rumo ao título!

Realce-se que neste torneio não houve uma final, decidida em um só jogo, mas sim uma poule final com cinco seleções, acumulando o resultado do confronto com a outra da fase de grupos, do seu grupo, não voltando a enfrentar-se nesta fase, onde quem ganhasse mais encontros era campeão. Atualmente, não se usa muito esta fórmula, mas nos anos 80, eram muito comum em diversas modalidades.

cev 2

 

XIV Europeu de Basquetebol, 1965, URSS: vitória soviética

fiba 2

 

A jogar em casa, tendo dominado o basquetebol europeu desde a década de 50, tudo apontava para mais um título soviético. De facto, foi isso que aconteceu. Os russos venceram todos os seus jogos desde a fase de grupos até à final. É verdade que tiveram jogos mais complicados, na final, uma vitória por nove pontos, frente à Jugoslávia e na primeira fase dois triunfos apertados, contra a Checoslováquia e Roménia. Mesmo assim, foi um título europeu ganho sem espinhas, sem derrotas e mais um para os soviéticos. No entanto, destaque-se o segundo lugar da Jugoslávia que dava cada vez mais sinal que não ia contentar-se por mais tempo como apenas finalista. Na década de 70, isso se provaria.

 

 

1965-URSS:      
URSS      
         
         
         
    1ªfase (Grupo A) Itália 87-48
      Israel 88-50
      Checoslováquia 79-74
      Roménia 62-60
      Finlândia 89-52
      RDA 65-41
      Hungria 76-45
    Meias-finais Polónia 75-61
    FINAL Jugoslávia 58-49
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑