SC Caldas, 12ºclassificado da I Divisão de Voleibol 2018-19

fpv 14

 

O SC Caldas ficou em 12ºlugar no Campeonato de Voleibol de 2018-19. Não confundir com o Caldas Sport Clube que tem alguns registos interessantes no futebol. São da mesma cidade, mas, clubes distintos. No caso do SC Caldas vou falar um pouco sobre a sua história no voleibol. Tem nove presenças na I Divisão: 2009-10, 2011-12 a 2018-19. A melhor classificação de sempre foi um quinto lugar em 2015-16. Nunca chegou a qualquer final da Taça de Portugal. Ficou nos oito primeiros entre 2012-13 e 2017-18. Este ano esse será o objetivo.
Curiosamente tem dois títulos nas divisões secundárias num campeonato que já não existe, isto é, a A2. Foi uma competição que decorreu entre 1997-98 e 2010-11 e era o segundo escalão do voleibol, com algumas variações. O SC Caldas foi o seu último campeão em 2010-11 ao que se junta o de 2008-09. Não tem troféus nas camadas jovens também.
Em 2018-19 o SC Caldas teve a sua única experiência nas competições da CEV, isto é, competições europeias, chegando à 3ªeliminatória da Taça Challenge.

Anúncios

Clube K, 13ºclassificado da I Divisão de Voleibol 2018-19

fpv 13

 

O Clube K, foi 13º classificado da I Divisão de Voleibol em 2018-19, escapou da descida num play-off com o 2ºclassificado da II Divisão, Fiães. É um clube açoriano o que traz sempre alguns problemas. Estreou-se na I Divisão de Voleibol em 2008-09, tendo sido despromovido, após acabar em 12º e último classificado, depois da disputa dos play-offs, para os clubes que ficavam fora dos oito primeiros, que iam apurar o campeão. Nessa altura, não era um campeonato de todos contra todos como agora, mas sim, eliminatórias a melhor de 3, o 9º com o 12º e o 10º com o 11º. Os derrotados iam decidir quem descia, em novo emparelhamento a melhor de 3. A esta presença, seguiram seis mais: 2010-11, 2012-13 a 2014-15, 2017-18 e 2018-19, isto é, conta com sete presenças no principal escalão desta modalidade. A melhor classificação de sempre foi um nono lugar em 2012-13.
Não tem qualquer título nacional nas camadas jovens nem foi alguma vez à final da Taça de Portugal e Supertaça no masculino. Porém, conquistou alguns troféus de divisões inferiores. Um desses é o Campeonato da A2 que já não existe e que decorreu entre 1997-98 e 2010-11. Era o segundo escalão durante esse período com algumas variações. Aqui o Clube K festejou em 2007-08 e 2009-10. Extinto este campeonato e com a II Divisão a voltar a ter o mesmo estatuto que exceto esses anos teve, isto é, segundo nível do voleibol português, aqui o clube açoriano soma três: 2003-04, 2011-12 e 2016-17. Em 2003-04 era o terceiro escalão em virtude da A2. Nos outros dois anos já não o era.

Clubes na I Divisão de Voleibol, 2019-20: Nacional Ginástica

fpv 12

Parece que em Portugal se confunde desporto com futebol! Esta modalidade não é a única do país! Deve-se dar atenção a todas! Por isso, é que faço a apresentação aqui dos 14 clubes que vão disputar a I Divisão de Voleibol.
O primeiro clube é o único promovido, campeão da II Divisão, Nacional Ginástica que 11 anos depois regressa aos grandes. Será a sua 15ªpresença. As épocas em que competiu aqui foram: 1966-67 a 1968-69, 1971-72 a 1973-74, 1975-76, 1978-79 e 1979-80, 1982-83 e 1983-84, 1995-96 e 1996-97, 2007-08. A melhor classificação foi um quinto lugar em 1971-72. Não chegou a qualquer final da Taça Portugal. Será uma época onde tentará não descer; se tudo correr bem, talvez mais qualquer coisa, um lugar nos oito primeiros.
Apesar de não ter títulos nas 3 provas mais importantes do Voleibol: Campeonato, Taça de Portugal e Supertaça, ganhou outros de alguma importância. O primeiro é o campeonato da A2 em 2006-07. Já não existe esta prova. Decorreu entre 1997-98 e 2010-11. Então era o segundo escalão do voleibol. Nas primeiras edições os dois primeiros entravam na segunda fase da A1 (agora I Divisão), na Série dos Últimos. Depois acabou-se com isso e passou a ser um segundo escalão normal. Optou-se por acabar com ela em 2011 e voltar ao que tinha sido tradição. É nessa cultura que o Nacional Ginástica tem três títulos da II Divisão: 1965-66, 1994-95 e 2018-19. Para fechar este palmarés a equipa B deste clube venceu a III Divisão em 2014-15 e 2015-16.
Para fechar, falemos dos escalões de formação. Não tem títulos máximos em seniores, mas nas camadas jovens foi campeão de Juniores em 1964-65 e 1966-67. O Nacional Ginástica, clube com poucos recursos, mas que é definitivamente um dos históricos desta modalidade.

 

1967-68, Técnico campeão de voleibol

1967-68 J V D SETS P
1-Técnico 14 12  2 39-17 26
2-FC Porto 14 12  2 39-17 26
3-Sporting Espinho 14  9  5 35-21 23
4-Leixões 14  7  7 31-35 21
5-CDUP 14  6  8 25-31 20
6-Académica 14  5  9 26-33 19
7-Benfica 14  3 11 18-37 17
8-Nacional Ginástica 14  2 12 16-38 16

 

fpv 10

 

Agora é um nome periférico no voleibol. Poucos sabem que existe e ainda menos conhecem o seu passado glorioso nesta modalidade. No feminino a sua última presença data de 2005-06, quando acabaram em décimo e desceram de divisão. No masculino a derradeira aventura foi em 1988-89, onde se classificaram em nono e foram relegados.

É neste género que o Técnico viveu momentos inolvidáveis. Foi campeão nacional de voleibol masculino por treze vezes! Mais que FC Porto, Benfica e Sporting. Só o Sporting Espinho tem mais. Esses triunfos foram alcançados entre 1946-47, primeira edição do campeonato, e 1967-68. Em 22 épocas somaram esses troféus. Têm ainda um recorde que ninguém ainda igualou, um heptacampeonato entre 1946-47 e 1952-53. Foi o Sporting que acabou essa série. Só ganharam uma Taça de Portugal em 1966-67 por uma simples razão, como digo acima, a I Divisão começou em 1946-47, a Taça de Portugal iniciou-se em 1964-65, daí este pormenor.

No ano do seu último título não havia subidas e descidas de divisão. Fazia-se dois campeonatos regionais, Norte e Sul e os quatro primeiros de cada apuravam-se para discutir o título, fazendo-o defrontando todos a duas voltas. Foi um ano engraçado porque o Técnico e o FC Porto acabaram igualados em pontos e no somatório de sets ganhos e perdidos, mas o primeiro tinha vantagem no confronto direto com os portistas. Assim festejou o seu 13ºtítulo o que lhe permite ainda estar no segundo lugar  no ranking de clubes com mais troféus nesta modalidade. O Benfica em 1967-68 acabou em sétimo lugar, uma das piores prestações de sempre!

A subida à primeira da União Coimbra em 1971-72

fpf 17

 

A Académica obteve a classificação para a então Taça UEFA após finalizar o campeonato no 5ºlugar, na época de 1970-71. Em 1971-72, seria eliminado na primeira eliminatória pelo eventual finalista vencido, Wolverhampton, agora treinado por Nuno Espírito Santo. No campeonato de 1971-72 da I Divisão desceu à II Divisão. Iria Coimbra ficar sem representantes no escalão máximo do futebol português?

O outro clube de Coimbra, a União, estava na III Divisão em 1970-71, conseguindo subir à II Divisão. Em 1971-72, na Zona Norte, apesar de um ataque fraquíssimo para uma equipa que a vence, conseguiu ficar em primeiro lugar e assim subir à primeira, numa época onde a Académica desceu. Depois de ter estado no final dos anos 40, início dos anos 50, muitas vezes à bica para subir, em 1971-72 finalmente isso aconteceu, num ano em que o Sporting Braga acabou em sétimo, nesta Zona Norte da II Divisão. Não satisfeitos, ainda conquistaram o título da II Divisão, batendo o vencedor da Zona Sul, Montijo, na final. Curiosamente, iria ser a estreia de ambos na temporada seguinte na I Divisão.

Não demorou muito a estadia da União Coimbra na primeira. Acabou em 14º e foi disputar a Liguilha I/II Divisão, onde precisava de acabar nos dois primeiros para manter-se. Não o fez e a Académica venceu a II Divisão, regressando assim à normalidade. Mas durante uma época foi a União Coimbra que sorriu!

1971-72 J V E D GOLOS P
1-União Coimbra 30 13 12  5 35-18 38
2-Riopele 30 12 13  5 40-26 37
3-Marinhense 30 15  6  9 43-25 36
4-Varzim 30 12 10  8 32-27 34
5-Sanjoanense 30 12  9  9 41-33 33
6-Famalicão 30 12  6 12 46-44 30
7-Sporting Braga 30 12  6 12 33-35 30
8-Fafe 30 12  6 12 37-39 30
9-Sporting Espinho 30  9 11 10 37-31 29
10-Penafiel 30 10  9 11 32-42 29
11-União Lamas 30 12  4 14 38-39 28
12-Salgueiros 30  8 12 10 25-32 28
13-Gil Vicente 30  9  9 12 29-35 27
14-Sporting Covilhã 30 11  4 15 46-47 26
15-Alba 30  9  5 16 37-55 23
16-Gouveia 30  9  4 17 21-42 22

 

 

 

 

 

Primeira subida do Famalicão à primeira, 1977-78

fpf 13

 

1977-78 J V E D GOLOS P
1-Famalicão 30 21  7  2 67-16 49
2-Aliados Lordelo 30 13  9  8 33-30 35
3-Fafe 30 12 10  8 34-24 34
4-Rio Ave 30  9 13  8 26-25 31
5-Penafiel 30 12  7 11 42-44 31
6-Desportivo Chaves 30 10 11  9 35-33 31
7-Leixões 30 12  6 12 43-37 30
8-Lourosa 30 11  8 11 40-35 30
9-Vianense 30 11  8 11 28-38 30
10-Gil Vicente 30 10  9 11 30-31 29
11-União Lamas 30 10  9 11 34-37 29
12-Paços Ferreira 30 11  6 13 31-39 28
13-Paços Brandão 30  9  9 12 32-37 27
14-Régua 30  9  7 14 33-47 25
15-Sanjoanense 30  8  7 15 24-30 23
16-Vila Real 30  6  6 18 24-53 18

O Famalicão já tinha estado na então I Divisão em 1946-47, onde teve o saldo de 60 golos marcados e 100 sofridos (!), concluindo no 13ºlugar, classificação que ainda é a sua melhor de sempre. Os famalicenses têm seis presenças na agora I Liga. As suas melhores prestações são dois 13º lugares, o dos anos 40 e o de 1978-79. Curiosamente nesses dois anos desceu. A seguir têm três 14ºlugares consecutivos entre 1990-91 e 1992-93, conseguindo a permanência nessas temporadas. Esta, em 1977-78, foi a sua primeira subida à então I Divisão. Em 1946-47 foi o último ano em que os apurados para a I Divisão eram decididos nos campeonatos regionais pelo país fora. Sistema que operou entre, a primeira edição, em 1934-35 e 1946-47. Foi uma subida incontestável! 14 pontos de avanço, quando a vitória só valia dois pontos, se fosse a pontuação atual, três pontos, seria uma margem quase escandalosa! Não teve qualquer oposição! E para por a cereja em cima do bolo, despois, na fase de apuramento para campeão, conseguiu o título da II Divisão, o primeiro grande troféu da sua história.

Nesta época o Aliados Lordelo ficou em segundo lugar na Zona Norte, melhor resultado do seu historial. Foi discutir com os segundos da Zona Centro e Zona Sul a subida, não a conseguiu, mas foi uma das maiores surpresas da história deste evento, num ano em que a diferença entre o quarto classificado, Rio Ave, e o primeiro clube abaixo da linha de descida, Paços Brandão, foi de quatro pontos. Uma competitividade que não ocorreu na luta pela subida. O Aliados de Lordelo teve uma diferença positiva de golos de mais três marcados que sofridos, 33-30, algo também muito raro na história da II Divisão.

1987-88, primeira subida do Nacional à I Liga

fpf 7

 

O Nacional da Madeira subiu esta época à I Liga. Aqui vou abordar a primeira vez que este clube foi promovido à então I Divisão. Isso aconteceu na época de 1987-88. A II Liga não existia, havia apenas II e III Divisão, além da I Divisão. Nessa temporada subiam seis equipas ao escalão máximo do futebol português, 2 da Zona Norte, 2 da Zona Centro e 2 da Zona Sul, enquanto desciam o mesmo número da primeira. Na Zonal Sul, o Nacional, terminou em segundo atrás do Estrela Amadora que também subiu este ano pela primeira vez à primeira. Uma subida com alguma folga, cinco pontos de vantagem sobre o Louletano (à altura a vitória só valia dois pontos). Na primeira época na I Divisão, em 1988-89 ficaram em décimo. Esta aventura durou três anos. Depois, só no século XXI regressariam, em 2001-02. Uma estadia de 15 anos onde foi apurado para as competições europeias, ficando duas vezes em quarto, 2003-04 e 2008-09. Veremos se nesta nova vida, em 2018-19 igualarão esses anos.

 

 

1987-88 J V E D GOLOS P
1-Estrela Amadora 38 24  8  6 64-22 56
2-Nacional 38 25  5  8 69-25 55
3-Louletano 38 23  4 11 80-36 50
4-Estoril 38 18 11  9 55-35 47
5-Barreirense 38 15 14  9 42-37 44
6-União Madeira 38 16 10 12 59-39 42
7-Sacavenense 38 14 13 11 43-40 41
8-Atlético 38 15 10 13 55-39 40
9-Oriental 38 14 11 13 53-51 39
10-Silves 38 12 14 12 38-47 38
11-Olhanense 38 15  8 15 50-43 38
12-Esperança Lagos 38 14  8 16 39-48 36
13-Santiago do Cacém 38 12 11 15 36-55 35
14-Montijo 38 13  7 18 46-51 33
15-Amora 38 11  9 18 43-64 31
16-Lusitânia 38 10 11 17 26-54 31
17-Cova Piedade 38  8 14 16 40-54 30
18-Samora Correia 38 10  7 21 33-58 27
19-Pescadores 38  8  8 22 33-74 24
20-Santa Clara 38  5 13 20 19-51 23

 

 

2010-11, FC Porto campeão sem derrotas e vencedor da Liga Europa

fpf 3

 

Uma época quase perfeita: campeonato sem derrotas, Taça de Portugal e Liga Europa. O Benfica foi campeão sem derrotas em 1972-73, só cedendo dois empates. Nesta época o FC Porto permitiu três empates. Na Taça de Portugal, o Benfica, em 1972-73 perdeu nos oitavos diante do Leixões; os portuenses venceram-na, fazendo uma recuperação nas meias diante dos encarnados e na final, 6-2 contra o Vitória Guimarães, que há 23 anos não chegava tão longe. Foram o segundo clube a marcar seis numa final. Só o Benfica em 1963-64, 6-2 contra os dragões e em 1943-44, 8-0 diante do Estoril fez igual ou melhor.

Outra diferença foi as competições europeias: em 1972-73, os encarnados, na então Taça dos Campeões, foi eliminado nos oitavos-de-final contra o campeão inglês Derby County. Recorde-se, na década de 70, os países participantes neste torneio só tinham mais de um participante se o campeão europeu não fosse campeão nacional, caso contrário só vencedor da sua liga se apuraria. O FC Porto conquistou a Liga Europa frente ao Sporting Braga, numa época em que Portugal colocou três clubes nas meias-finais, algo impensável. Só o Villarreal se intrometeu entre os lusitanos, mas foi despachado, logo na primeira mão, no Dragão por 5-1 e pouco pode fazer contra o poderio português. É verdade que em 2002-03, tivemos duas equipas nas meias-finais (FC Porto e Boavista), mas, três, nem as principais potências europeias fizeram isso muitas vezes nas três competições europeias que se disputam ou disputavam, a Taça das Taças foi extinta em 1998-99. Na final, equilibrada, um golo de Falcao fez a diferença e oito anos depois FC Porto voltou a vencer a agora designada Liga Europa.

Esta, uma das melhores equipas da história do futebol português ao nível de clubes, no campeonato passeou e festejou o título na Luz às escuras e com o sistema de rega ligado! O Benfica ficou em segundo a 21 pontos de distância, ou seja, ninguém tinha qualidade para se opor aos portistas. Num campeonato sem grandes destaques além disso, isto é,  nenhuma equipa teve uma classificação histórica, melhor de sempre ou que as recentes, as últimas duas décadas, o FC Porto foi o inatacável campeão sem derrotas, algo que só tinha acontecido uma vez, a supracitada em 1972-73, pelo Benfica e só seria repetido mais uma vez, mas, com uma equipa longe de atingir o nível desta nas competições europeias. Era realmente uma equipa que marcou e vai ficar para sempre na história do futebol português como uma das melhores de sempre!

2010-11 J V E D GOLOS P
1-FC Porto 30 27  3  0 73-16 84
2-Benfica 30 20  3  7 61-31 63
3-Sporting 30 13  9  8 41-31 48
4-Sporting Braga 30 13  7 10 45-33 46
5-Vitória Guimarães 30 12  7 11 36-37 43
6-Nacional 30 11  9 10 28-31 42
7-Paços Ferreira 30 10 11  9 35-42 41
8-Rio Ave 30 10  8 12 35-33 38
9-Marítimo 30  9  8 13 33-32 35
10-União Leiria 30  9  8 13 25-38 35
11-Olhanense 30  7 13 10 24-34 34
12-Vitória Setúbal 30  8 10 12 29-42 34
13-Beira-Mar 30  7 12 11 32-36 33
14-Académica 30  7  9 14 32-48 30
15-Portimonense 30  6  7 17 29-49 25
16-Naval 1ºMaio 30  5  8 17 26-51 23

 

2010-11: FC Porto, 1ºlugar CASA FORA
Benfica 5-0 2-1
Sporting 3-2 1-1
Sporting Braga 3-2 2-0
Vitória Guimarães 2-0 1-1
Nacional 3-0 2-0
Paços Ferreira 3-3 3-0
Rio Ave 1-0 2-0
Marítimo 4-1 2-0
União Leiria 5-1 2-0
Olhanense 2-0 3-0
Vitória Setúbal 1-0 4-0
Beira-Mar 3-0 1-0
Académica 3-1 1-0
Portimonense 2-0 3-2
Naval 1ºMaio 3-1 1-0
CASA FORA
V E D GOLOS V E D GOLOS
14 1 0 43-11 13 2 0 30-5
TOTAL
J V E D GOLOS P
30 27 3 0 73-16 84

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Primeiro título da I Divisão de hóquei em patins do Benfica: 1950-51

1950-51 J V E D GOLOS P
1-Benfica 10 8 2 0 33-14 28
2-Paço d’Arcos 10 6 1 3 31-27 23
3-HC Sintra 10 4 4 2 36-29 22
4-Infante Sagres 10 3 3 4 23-20 19
5-Académico Porto 10 2 1 7 20-27 15
6-Sanjoanense 10 1 1 8 11-37 13

 

seleção

O campeonato nacional da I Divisão de Hóquei em Patins disputou-se pela primeira vez em 1938-39. O título foi para o Sporting. Só 36 anos depois é que os leoninos voltaram a ser campeões nacionais. O Benfica ainda teve que esperar mais de uma década, mas, em 1950-51, foram campeões sem margens para dúvidas, somando o seu primeiro título.

Um campeonato sem grande história pois os encarnados foram campeões sem derrotas, vencendo oito dos dez jogos, cedendo apenas dois empates. O segundo classificado, Paço d’ Arcos finalizou em segundo a cinco pontos dos lisboetas. O então detentor do título, HC Sintra ficou em terceiro longe do primeiro e a um do segundo colocado. Um passeio rumo ao primeiro troféu na I Divisão.

Refira-se que não havia subidas e descidas de divisão, ou seja, o último podia participar no campeonato da época seguinte e o primeiro não, isto, porque, era feita uma fase de apuramento anterior, onde, os três primeiros da Zona Norte e os três primeiros da Zona Sul ficavam apurados para a fase onde se decidia o título da I Divisão de Hóquei em Patins. Mas, para aí chegar era necessário passar por esta fase regional.

 

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑