II Mundial de Basquetebol, 1954, Brasil: primeiro para os EUA

1954: Brasil: EUA    
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo B) Perú 73-51
      Canadá 59-37
    Fase Final Filipinas 56-43
      França 70-49
      Uruguai 64-59
      Canadá 84-50
      Formosa 72-28
      Israel 74-30
      Brasil 62-41
         
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

Parece normal dizer que os EUA foram campeões do Mundo de Basquetebol, mas nos anos 50 e subsequentes décadas não era bem assim. Os jogadores da NBA não faziam parte desta seleção por isso é que havia mais competitividade. Este título seria o primeiro, o segundo foi só em 1986. Três décadas sem o vencer. Outros tempos! Um torneio ganho com facilidade, se assim se pode dizer. O jogo mais equilibrado foi diante do Uruguai, na fase final de apuramento de campeão, onde triunfaram por apenas cinco pontos. Esta competição tinha um formato diferente do futebol: não havia final, havia uma primeira fase de grupos, onde se qualificavam os dois primeiros; depois, uma fase final com oito equipas, todos contra todos, onde quem obtivesse mais vitórias era campeão. Os americanos não tiveram problema algum, venceram todas as partidas, tornando-se campeões do Mundo pela primeira vez. De realçar o terceiro lugar da seleção das Filipinas, algo impensável nos dias que correm. Os organizadores, Brasil, foram vice-campeões, um ensaio para as edições seguintes.

 

fiba 7

Anúncios

XX Europeu de Basquetebol Feminino, 1985, Itália: mais um para a URSS

fiba 6

 

Mais um Europeu de Basquetebol Feminino mais um título incontestável, indiscutível e…que pareceu fácil, aliás, muito fácil! Para se ter uma ideia, o jogo mais renhido da União Soviética foi o primeiro diante do país organizador a Itália, que acabou com uma vantagem de 18 pontos para as russas! De resto, margens de mais de vinte pontos, inclusive na final triunfo por 103-69, contra a Bulgária, o que demonstra a diferença e o domínio da URSS no panorama do basquetebol europeu feminino. Domínio que só se perdeu com a desintegração desta nação no início da década 90. O primeiro Europeu disto foi nos anos 30, com a vitória da Itália. Desde aí, até 1985, só um título fugiu às russas; que mais é preciso dizer?! Em 1985, na Itália, ninguém foi capaz de sequer equilibrar os jogos. Nada a dizer uma hegemonia absoluta.

 

1985: Itália: URSS    
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo B) Itália 75-57
      Bélgica 95-46
      Hungria 87-65
      Polónia 77-51
      Espanha 115-42
    Meias-finais Checoslováquia 111-43
    FINAL Bulgária 103-69
         
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

 

XX Europeu de Basquetebol 1977, Bélgica: tri para a Jugoslávia

1977: Bélgica: Jugoslávia    
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo B) Espanha 79-76
      Finlândia 88-80
      Bélgica 111-83
      Holanda 111-75
      Checoslováquia 103-111
    Meias-finais Itália 88-69
    FINAL URSS 74-61
         
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

A Jugoslávia era bicampeã europeia aqui, em 1977, na Bélgica fez o tri. Depois da hegemonia soviética veio a jugoslava. Seria a partir da década de 70 que este país começou a afirmar-se como uma potência do basquetebol europeu e mundial. Na primeira fase de grupos cedeu uma derrota diante da Checoslováquia. Não foi muito penalizante pois já tinha o apuramento garantido quando se chegou a esse encontro. Depois nas meias-finais uma vitória fácil diante da Itália. Na final, contra os anteriores dominadores deste evento, a União Soviética, uma vitória surpreendentemente fácil, treze pontos de diferença, chegando assim ao seu terceiro título europeu de basquetebol. Não seria o último. Finalmente, os russos tinham um oponente à altura, embora este não deixariam que isto ficasse assim nas próximas edições do torneio.

 

fiba 5

I Mundial Feminino de Basquetebol, 1953, Chile: título para EUA

fiba 2

 

No Chile ocorreu o primeiro Campeonato do Mundo de Basquetebol Feminino no ano de 1953. Isto manteve a tradição de organizar este evento na América Latina já que o masculino também aí se realizou, mais concretamente na Argentina, em 1950. Ao contrário do que aí aconteceu, o Chile não foi campeão, terminou em segundo a um ponto dos EUA. No entanto, chegaram ao último jogo contra as americanas com hipóteses de se sagrarem campeãs mundiais, porém, os EUA ganharam e assim obtiveram esse título. Tiveram uma única derrota durante o evento que não deteve esta nação. O formato da competição era semelhante ao que se fez para o masculino, em 1950: uma eliminatória e depois um sistema de todos contra todos, onde quem ganhasse mais vezes era campeão. Os EUA venceram todos os jogos menos um, contra o Brasil, derrotando as anfitriãs no último encontro, alcançando o seu primeiro troféu num Campeonato do Mundo de Basquetebol.

1953, Chile: EUA    
   
         
         
         
    1ªeliminatória Paraguai 60-28
    Fase Final França 41-37
      Argentina 34-22
      Brasil 23-29
      Paraguai 41-31
      Chile 49-36
         
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro

I Mundial de Basquetebol, 1950, Argentina: título para os organizadores

fiba 4

 

Em 1950 fez-se história. A Argentina organizou o primeiro campeonato do Mundo de basquetebol e foi campeã. Não mais repetiu o título. Em 2002, esteve perto, mas, perdeu no prolongamento para a Jugoslávia. Não carpiram lágrimas, pois, em 2004, foi campeã olímpica. Um dos quatro que fugiu aos EUA, desde o primeiro torneio em 1936. Embora, já se disputasse nos Jogos Olímpicos e já houvesse desde os anos 30 o Campeonato Europeu, só em 1950 ocorreu este evento. A Argentina venceu uma eliminatória de apuramento para a fase final, onde, quem ganhasse mais jogos era campeão num formato de todos contra todos. Os argentinos triunfaram em todos e assim festejaram o seu único campeonato do Mundo. Com os americanos agora a participar com estrelas da NBA, algo que não acontecia então, será muito difícil isto ser repetido. Contudo, tal como em 2006, onde a final foi entre a Espanha e a Grécia, surpresas acontecem!

1950, Argentina: Argentina    
   
         
         
         
    2ªeliminatória França 56-40
    Fase Final Brasil 40-35
      Chile 62-41
      França 66-41
      Egipto 68-33
      EUA 64-50
         
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

 

XIX Europeu de Basquetebol Feminino, 1983, Hungria: mais um para a URSS

fiba 3

 

Mais um Europeu Feminino de Basquetebol, Hungria, 1983, mais um título para a União Soviética. A hegemonia continuava e continuaria durante a década de 80. Nada a dizer! Venceram todos os jogos. Todos por mais de vinte pontos. A final foi o mais “renhido”: triunfo diante da Bulgária por 91-70, isto é, vinte e um pontos de vantagem. E este foi o mais equilibrado! Um autêntico passeio rumo a mais um campeonato. A nível europeu, nesta altura, as russas faziam o que queriam. Não tinham oposição à altura. As outras seleções cingiam-se a lutar pelos outros dois lugares do pódio, prata e bronze. De resto, simplesmente, ninguém era capaz de se opor ao império soviético. Há muito tempo que isto sucedia e as coisas pareciam longe de se vislumbrar uma mudança. Só nos anos 90 é que tudo se alteraria.

 

1983, Hungria: URSS    
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo B) Suécia 105-74
      Bulgária 108-60
      Checoslováquia 97-55
      RFA 115-56
      Itália 83-53
    Meias-finais Hungria 103-69
    FINAL Bulgária 91-70
         
         
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro

XIX Europeu de Basquetebol, 1975, Jugoslávia: título para os anfitriões

fiba 2

 

Depois do título de 1973, pondo fim à hegemonia soviética, em casa, a Jugoslávia alcançou o bi, somando o título de 1975 ao de dois anos atrás. Um campeonato em que não houve final. Houve sim um grupo final de cinco equipas, todos contra todos, acumulando o resultado da primeira fase de grupos da outra seleção qualificada do mesmo grupo, onde quem ganhasse mais encontros era campeã. A Jugoslávia transitou com uma vitória frente à Itália conseguida na primeira fase de grupos e venceu os outros quatro atingindo assim o seu segundo troféu, o seu segundo campeonato. Apenas a vitória, decisiva na atribuição do título, diante da União Soviética, foi por menos de dez pontos, seis no caso (90-84). De resto, tudo triunfos concludentes. Assim, a Jugoslávia somou o seu segundo Eurobasket. E esta geração ainda não tinha acabado.

 

1975, Jugoslávia: Jugoslávia    
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo A) Holanda 102-76
      Turquia 92-65
      Itália 83-69
    2ªfase (Grupo II) [Itália 83-69] -resultado que transita da 1ªfase acumulando aos jogos desta fase final
      Espanha 98-76
      Checoslováquia 84-68
      Bulgária 105-76
      URSS 90-84
         
         
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

XVIII Europeu de Basquetebol, 1973, Espanha: título para a Jugoslávia

1973, Espanha: Jugoslávia    
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo B) Espanha 65-59
      Grécia 84-68
      Bulgária 76-65
      Itália 73-71 a.2p.
      França 80-70
    Meias-finais Checoslováquia 96-71
    FINAL Espanha 78-67
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

fiba 3

 

No Europeu de 1973, na Espanha, este teve um vencedor diferente: a Jugoslávia. E teve outro fator diferente a União Soviética não chegou à final. Esta foi uma final sem os soviéticos, algo que já não acontecia há muito tempo. Curiosamente, o primeiro encontro do torneio na fase de grupos frente aos anfitriões, a Espanha, foi o mesmo do jogo decisivo do torneio o Jugoslávia e Espanha. E o que daí adveio foi o mesmo vitória para os jugoslavos. Se na fase de grupos era apenais mais um jogo, na final deu o título à Jugoslávia. Algo que este país já procurava. De resto, vitória em todos os jogos, uns com mais dificuldades, outras com menos, mas triunfos. Até à final, onde bateu o país anfitrião somando assim o seu primeiro troféu e começando uma hegemonia que dominou a restante década de 70.

XVII Europeu de Basquetebol Feminino, 1980, Jugoslávia: título soviético

fpb 3

 

Mais um Europeu mais um título para a União Soviética. Mais uma vez uma vitória concludente. Podendo dizer-se que não houve oposição à altura. Ficaram isentos da primeira fase de grupos e a seguir cilindraram todas as adversárias rumo à final. Tudo vitórias acima dos trinta pontos. O jogo mais renhido (se se pode chamar assim) foi a meia-final frente à Checoslováquia, com um triunfo por 32 pontos! De resto, tudo acima dos 45 pontos. Nada à dizer. Um título conquistado sem muito mais a elaborar. Nesta altura as soviéticas dominavam o panorama europeu do basquetebol e não tinham muita oposição. Limitavam-se a ir ao Campeonato Europeu e a conquistá-lo sem muito labor. Eram hegemónicas, ninguém lhes fazia frente. Algo que só o fim da URSS mudou.

1980, Jugoslávia: URSS    
   
         
         
         
    1ªfase Isento  
    Quartos-de-final (Grupo A) Holanda 105-43
      Polónia 94-40
      Bulgária 119-63
    Meias-finais Checoslováquia 94-62
    FINAL Polónia 95-49
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑