V Mundial de Andebol, 1964, Checoslováquia: título para os romenos

ihf 8

 

 

 

 

 

1964- Checoslováquia: Roménia

   
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo D) União Soviética 16-14
      Noruega 18-10
      Japão 36-12
    2ªfase (Grupo 2) [União Soviética 16-14] -resultado que transita da 1ªfase acumulando aos jogos desta fase final
      Dinamarca 25-15
      Checoslováquia 16-15
    FINAL Suécia 25-22
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro; a) apurado por moeda ao ar
 

 

A Roménia mostrou aqui o seu potencial no mundo de Andebol de 1964. Conquistou o seu segundo título consecutivo. Sobreviveu a duas fases de grupos sem perder qualquer jogo. Na final, encontrando o vencedor do outro grupo, a Suécia, derrotou-a com uma vitória equilibrada de 25-22. Eram os tempos onde a Roménia era candidata ao título. Atualmente, está muito longe disso! A Suécia conseguiu a sua primeira medalha de prata, melhorando do bronze que tinha alcançado no mundial transato. Não conseguiu o seu terceiro título, depois de ter ganho em 1954 e 1958 e só faria nos anos 90. A Checoslováquia, país anfitrião, obteve o seu segundo bronze, depois de o de 1954, não mais acabou em terceiro até ao seu fim nos anos 90, do século XX. A Alemanha Ocidental repetiu o resultado de 1961.

Anúncios

V Mundial de Basquetebol Feminino, 1967, Checoslováquia: título para a União Soviética

 

 

 

 

1967- Checoslováquia: União Soviética

   
 
 
  1ªfase (Grupo A) Jugoslávia 83-48
  EUA 71-37
  Austrália 75-37
  Fase Final [Jugoslávia 83-48] -resultado que transita da 1ªfase acumulando aos jogos desta fase final
  Japão 57-42
  Checoslováquia 62-52
  Coreia do Sul 83-50
  RDA 86-67
 
 
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro; a) apurado por moeda ao ar
 

 

A quinta edição do Mundial de Basquetebol Feminino teve lugar na Checoslováquia, onde as soviéticas fizeram o tri, três títulos consecutivos. Num ano em que as americanas ficaram num agora inimaginável 11ºlugar, o seu pior lugar de sempre. Para a União Soviética foi um passeio rumo ao título, o jogo mais renhido foi na fase de decisão do título, onde ganharam por uma diferença de 10 pontos, diante das anfitriãs. De resto, tudo acima disso. A Coreia do Sul foi a surpresa e acabou em segundo lugar. Esta prata não é inédita, pois voltaria a repeti-la no futuro. A Checoslováquia conseguiu o seu terceiro bronze. Outra sensação, a RDA ficou em quarto lugar que foi o seu melhor lugar de sempre. Para as russas foi o tri e o concomitantemente o seu terceiro título. Na Europa e no Mundo nesta altura não havia rival para este país.

 

fiba 25

XXII Europeu de Basquetebol Feminino, 1989, Bulgária: mais um para a União Soviética

 

 

 

1989- Bulgária: União Soviética

   
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo A) Checoslováquia 78-75
      Itália 79-48
      Holanda 59-56
    Meias-finais Bulgária 90-71
    FINAL Checoslováquia 64-61
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro; a) apurado por moeda ao ar
 

Apesar de haver jogos com a União Soviética mais renhidos, os outros países já não eram atropelados quando jogavam com as russas, esta voltou a ser campeã.  Continuava a ganhar consecutivamente desde o título 1958 que fugiu para a Bulgária. Mas, já se reparava que esta hegemonia estava cada vez mais ameaçada. A Checoslováquia foi vice-campeã pela sétima vez e última, pois esta país ia ser dividido em dois no início da década de 90. Nunca foi campeã, apesar de vários lugares no pódio. A Bulgária também foi o quarto e último bronze da sua história. A Jugoslávia ficou num honroso quarto lugar pela quarta ocasião.

 

fpb 5

XXII Europeu de Basquetebol, 1981, Checoslováquia: título para os soviéticos

fiba 19

O fim do domínio dos soviéticos nesta prova estava a chegar ao fim apesar destes se terem sagrado campeões europeus nesta edição de 1981, na Checoslováquia. Após este título, só venceram mais dois, em 1985 e em 2007, já somente como Rússia. Estava a chegar o fim de uma era onde estes dominaram o basquetebol europeu ao nível de seleções.  Um percurso imaculado, ganharam todos os jogos e todos por mais de dez pontos, curiosamente o mais equilibrado foi o primeiro onde derrotaram a Polónia por 101-89. Na final, a Jugoslávia não teve soluções para a União Soviética, perderam por 17 pontos e assim foi o 13ºtítulo para esta nação. Para os jugoslavos era a quinta vez que ficaram com a prata. Para o país organizador, Checoslováquia, era a quinta vez também que obtiveram o bronze, quinta e última. Depois da divisão deste país em dois, República Checa e Eslováquia, no início dos anos 90, os seus sucessores ainda não atingiram este patamar. A Espanha ficou com o quarto lugar, classificação honrosa, pela segunda vez.

 

 

 

 

1981- Checoslováquia: União Soviética

   
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo B) Polónia 101-89
      RFA 86-54
      Itália 97-67
      Turquia 97-79
      Jugoslávia 108-88
    Fase Final [Itália 97-67-resultado que transita da 1ªfase acumulando aos jogos desta fase final]
      (Jugoslávia 108-88] -resultado que transita da 1ªfase acumulando aos jogos desta fase final
      Checoslováquia 110-84
      Espanha 110-101
      Israel 102-84
    FINAL Jugoslávia 84-67
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro; a) apurado por moeda ao ar
 

 

IV Mundial de Andebol, 1961, RFA: título para a Roménia

ihf 6

 

República Federal da Alemanha organizou o Campeonato do Mundo de Andebol em 1961 pela segunda vez em quatro edições.  A diferença para o de 1938 é que naquela altura estava unificada. Após a II Guerra Mundial (1939-1945), como se sabe, ficou dividida em dois: República Federal da Alemanha, a democrática; e a República Democrática da Alemanha, aliada da União Soviética. Isto aconteceu porque após a guerra, o seu território ficou sob o controlo dos vencedores e como uns tinham sido os soviéticos que ficaram responsáveis por parte do território e a Guerra Fria que se seguiu originou isto. Só nos anos 90 do século XX, quase cinquenta anos depois do fim da guerra é que esta voltou a ser uma.

Quanto ao Mundial de 1961 de Andebol, a RFA não o venceu, aliás terminou num desapontante quarto lugar, a primeira vez que tinha ficado fora do pódio nestas primeiras quatro edições.  A Suécia também não conseguiu o tri ficando com o bronze, resultado igual ao de 1938, também na Alemanha. A final teve um campeão sensação que nas três edições anteriores nunca sequer tinha ficado nos quatro primeiros, a Roménia. Na final bateram a Checoslováquia por uns inacreditáveis 9-8 após dois prolongamentos! Os checos perdiam a sua segunda final consecutiva.

 

 

 

 

 

 

1961-RFA: Roménia

   
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo C) Japão 29-11
      Checoslováquia 8-12
    2ªfase (Grupo 2) Dinamarca 15-13
      RFA 12-9
      Noruega 16-14
    FINAL Checoslováquia 9-8 a.2p.
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro; a) apurado por moeda ao ar
 

IV Campeonato do Mundo de Basquetebol Feminino, 1964, Perú: Bis para a União Soviética

Neste Mundial 1964 de Basquetebol Feminino no Perú teve como vencedora a União Soviética. Revalidaram o título conquistado em 1959 em casa. Um percurso por parte das russas imaculado. A vitória mais difícil foi no último jogo contra a Bulgária, onde triunfaram por 17 pontos! As restantes foram por mais de 17 pontos, o que demonstra o domínio das soviéticas nesta altura do basquetebol feminino. Uma coisa que raramente aconteceu no futebol, mas era normal nas outras modalidades: duas fases de grupo, na primeira apurava-se as seleções que iam discutir num grupo final o título, nesse quem mais jogos ganhasse era campeão. Foi o que aconteceu com a União Soviética, triunfou em todos os jogos e assim sagrou-se vencedora. A Checoslováquia ficou em segundo, na altura a melhor classificação de sempre, apenas igualada no futuro, nunca melhorada.  A Bulgária conseguiu o seu único bronze no historial deste evento. Os EUA ficaram em quarto, uma das suas piores prestações.

 

fiba 16

 

 

 

 

 

 

1964-Perú: União Soviética

   
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo C) Japão 86-39
      Chile 91-28
      Brasil 68-50
    Fase Final Jugoslávia 73-45
      Brasil 70-47
      Checoslováquia 70-35
      Perú 80-41
      EUA 71-37
      Bulgária 72-55
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro; a) apurado por moeda ao ar
 

 

 

 

IV Mundial de Voleibol Feminino 1962, União Soviética: título para o Japão

fivb 8

 

O Campeonato do Mundo de voleibol feminino de 1962 realizou-se na União Soviética. As soviéticas que tinham ganho os primeiros três mundiais foram surpreendidas em casa pela seleção do Japão que assim celebrou o seu primeiro título mundial. E não se pode sequer por em causa este feito! Em nove encontros só cederam um set perante as anfitriães. De resto tudo 3-0. Assim as nipónicas foram justamente campeãs mundiais.  A prata foi para as russas, a primeira da história. O bronze pela segunda e última vez para a Polónia, depois do de 1956, não mais estiveram no pódio desde então. A Bulgária ficou com o quarto lugar também pela segunda vez, a primeira foi em 1952. Até aos dias de hoje as búlgaras ainda não fizeram igual ou melhor. Numa prova que mais uma vez não teve final e foi decidida por um grupo final onde quem ganhasse mais jogos era campeão.

 

 

 

 

 

1962, União Soviética: Japão

   
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo C) RDA 3-0 (15-7,15-10,15-1)
      Coreia do Norte 3-0 (15-2,15-6,15-11)
      China 3-0 (15-5,15-12,15-7)
    Fase Final [RDA 3-0 (15-7,15-10,15-1] -resultado que transita da 1ªfase acumulando aos jogos desta fase final
      Polónia 3-0 (15-3,15-5,15-2)
      Bulgária 3-0 (15-3,15-2,15-8)
      União Soviética 3-1 (14-16,15-7,15-11,15-3)
      Brasil 3-0 (15-4,15-2,15-4)
      Roménia 3-0 (15-2,15-0,15-1)
      Checoslováquia 3-0 (15-2,15-4,15-1)
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro; a) apurado por moeda ao ar
 

 

IV Mundial de Voleibol, 1960, Brasil: conquista da União Soviética

 

 

 

 

 

1960, Brasil: União Soviética

   
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo II) Paraguai 3-0 (15-2,15-6,15-2)
      Japão 3-0 (15-8,15-9,15-7)
    Fase Final [Japão 3-0 (15-8,15-9,15-7] -resultado que transita da 1ªfase acumulando aos jogos desta fase final
      EUA 3-0 (15-7,15-13,16-14)
      Venezuela 3-0 (15-4,15-11,15-2)
      Hungria 3-1 (15-10,11-15,15-13,15-7)
      Polónia 3-1 (7-15,15-4,15-8,15-11)
      França 3-1 (15-11,14-16,15-2,15-8)
      Roménia 3-1 (15-13,16-14,10-15,15-11)
      Checoslováquia 3-0 (15-12,15-10,15-4)
      Brasil 3-1 (15-9,13-15,17-15,15-11)
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro; a) apurado por moeda ao ar
 

Numa prova organizada pelo Brasil em 1960, a União Soviética venceu pela terceira vez em quatro edições o Mundial de Voleibol. Num evento onde não havia final. Depois de uma primeira fase de grupos, onde os dois primeiros de cada se qualificavam para um emparelhamento final onde quem vencesse mais jogos era campeão. Foi dessa forma que os soviéticos somaram mais um. Não perderam qualquer jogo, foram ganhando com mais ou menos dificuldades. Assim, fizeram a festa outra vez. A Checoslováquia ficou em segundo pela terceira vez em quatro. A outra tinha sido campeã, único que à altura tinha fugido aos russos. A Roménia ficou com o bronze pela primeira vez. A Polónia ficou posicionada no quarto lugar, repetindo a classificação de 1956.

 

fivb 7.jpg

XXI Europeu de Basquetebol Feminino, 1987, Espanha: festa para a União Soviética

fpb 5

Mais um Europeu de Basquetebol Feminino, mais um título para a União Soviética. Desde a vitória da Bulgária em 1958, na Polónia, as russas triunfaram sempre. Um domínio absoluto no basquetebol feminino nesta altura. E esta hegemonia continuou nesta edição de 1987, na Espanha. Um passeio completo na primeira fase com vitórias todas superiores a 30 pontos. Só nas meias-finais é que a competição foi mais forte, com uma vitória por oito pontos diante da Checoslováquia e dez frente à Jugoslávia na final. Só as mudanças políticas do final dos anos 80, início dos anos 90 desfazeriam este cenário. Nove anos depois a Jugoslávia ficava com a prata. Para a Hungria seria o terceiro bronze consecutivo, o que demonstrava que era uma seleção com valor. A Checoslováquia ficou em quarto pelo segundo europeu seguido. Apesar de variadíssimos lugares de honra, os checos nunca atingiram o ouro. Só quando o país se desfez é que as suas sucessoras fariam a festa.

 

 

 

 

 

 

1987-Espanha: União Soviética

   
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo A) Polónia 95-62
      Roménia 95-52
      Hungria 110-70
      França 109-47
      Suécia 136-63
    Meias-finais Checoslováquia 89-81
    FINAL Jugoslávia 83-73
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

 

 

 

 

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑