Campeões em ambos os géneros: voleibol, Benfica, femininos, 1966-67; masculinos, 1980-81

1966-67, I Divisão Voleibol Feminino J V D SETS P
1-Benfica 10 9 1 27-4 19
2-CDUL 10 7 3 22-13 17
3-Leixões 10 7 3 22-11 16 (1 falta de comparência)
4-Académica 10 5 5 16-16 15
5-Arte e Recreio 10 1 9  6-27 11
6-Sporting Braga 10 1 9  5-27 11

Após alguns anos de quase campeões, o Benfica, em 1966-67, alcança o seu primeiro título de voleibol feminino. Troféu conquistado sem grandes problemas, pois, só cederam uma derrota e mais um set a juntar aos três dessa. O segundo classificado, CDUL, ficou a dois pontos, ou seja, teve mais duas derrotas. Este seria o primeiro de nove seguidos que coloca os encarnados, apesar de o último ter sido em 1974-75, como a segunda equipa coma mais títulos de voleibol feminino, igualado com o Castêlo Maia e a seis do primeiro, o Leixões com quinze. Isto apesar de não terem esta secção desde o início dos anos 90. Para concluir, ainda, o voleibol masculino do Benfica só conquistou cinco títulos, isto é, ainda estão relativamente longe dos nove do setor feminino.

1980-81, I Divisão Voleibol J V D SETS P
1-Benfica 14 12  2 39-12 26
2-Sporting Espinho 14 11  3 36-16 25
3-Leixões 14 11  3 35-15 25
4-Esmoriz 14  9  5 31-16 23
5-Técnico 14  6  8 21-29 20
6-Francisco Holanda 14  5  9 21-30 19
7-CDUL 14  1 13  9-39 15
8-Gil Vicente 14  1 13  5-40 15

Isto é mesmo assim, não há como dizer de outra maneira! Assim após sete Taças de Portugal conquistados e muitos segundos lugares, sobretudo, durante a década de 70, o Benfica, finalmente, em 1980-81, festeja o seu primeiro título de voleibol masculino. Tantas e tantas oportunidades teve no passo para obter este desiderato. Finalmente, no início da década de 80, puderam festejar como nunca. Depois, seria preciso mais uma década para o segundo e em 2004-05 o terceiro. Isto é apenas uma curiosidade: a equipa lisboeta tem cinco campeonatos conquistados e 14 Taças de Portugal ganhas, isto quer dizer que teve sempre mais engenho na taça do que no escalão máximo do voleibol português; por isso lideram o ranking de triunfos na prova a eliminar. No campeonato têm muito que aprender relativamente à eficácia e ao aproveitar quando se pode o ganhar. Até as senhoras, há muito extintas no clube, têm quase o dobro dos títulos dos homens.

cev

Anúncios

Finais da Taça de Portugal de Basquetebol Feminino: 1988-89 a 2012-13

 

ÉPOCA FASE ATINGIDA/ADVERSÁRIO RESULTADO
     
1988-89 Estrelas Avenida-CDUL 55-46
1989-90 Estrelas Avenida-CIBF 79-55
1990-91 Estrelas Avenida-Estrela Amadora 67-54
1991-92 Estrelas Avenida-Académico Porto 60-55
1992-93 União Santarém-Estrelas Avenida 57-55
1993-94 União Santarém-CAB 88-61
1994-95 Estrelas Avenida-Olivais FC 66-55
1995-96 CAB-Anadia 70-63
1996-97 União Santarém-Anadia 88-86
1997-98 União Santarém-Olivais FC 72-62
1998-99 CAB-Nacional 76-66
1999-2000 CAB-Nacional 60-46
2000-01 Santarém Basket-Olivais FC 76-53
2001-02 Santarém Basket-CAB 69-63
2002-03 Santarém Basket-Olivais FC 69-56
2003-04 GDESSA-Olivais FC 65-59
2004-05 GDESSA-CAB 71-59
2005-06 CAB-Boa Viagem 90-73
2006-07 CAB-Boa Viagem 80-68
2007-08 Vagos-Algés 62-53
2008-09 Olivais FC-Vagos 73-63
2009-10 Olivais FC-Boa Viagem 67-58
2010-11 Quinta dos Lombos-Algés 78-56
2011-12 Vagos-Algés 55-49
2012-13 Algés-CAB 80-72
     
+Campo neutro; *recinto adversário  

Este ciclo começou com quatro taças consecutivas do Estrelas Avenida. Adicionaria a de 1994-95 e ocupa o terceiro lugar de equipas com mais taças, cinco. O CAB também faz parte desse grupo, com cinco taças neste período (1995-96, 1998-99, 1999-2000, 2005-06 e 2006-07).  Com quatro taças neste hiato, surge o União Santarém com dois bis (1992-93 e 1993-94; 1996-97 e 1997-98). Com três, todas consecutivas, surge o Santarém Basket (2000-01 a 2002-03). Depois com duas GDESSA, Olivais FC e Vagos. Com uma aparece Quinta dos Lombos. Todos os clube enunciados neste primeiro parágrafo não conquistaram mais taças, isto é, apenas triunfaram neste ciclo, antes não.

O Algés fecha este ciclo com o triunfo em 2012-13. Ao contrário das outras equipas, tinha cinco taças festejadas nos anos 80, no período exposto neste blog anterior a este. Com essa vitória isolou-se no segundo lugar do palmarés da prova com seis taças, só o CIF com sete tem mais.

fpb

Finais da Taça de Portugal de Basquetebol Feminino: 1963-64 a 1987-88

fpb

 

 

ÉPOCA FASE ATINGIDA/ADVERSÁRIO RESULTADO
     
1963-64 CDUP-Benfica 26-16
1964-65 CDUP-CDUL 33-6
1965-66 CDUP-CIF 24-17
1966-67 CDUP-CIF 26-22
1967-68 Académica-CIF 41-37
1968-69 Académica-CUF 51-35
1969-70 Académica-Gaia 69-48
1970-71 Académica-CIF 50-42
1971-72 Académico Porto-Académica 66-59
1972-73 Académico Porto-Algés 60-22
1973-74 Académico Porto-Académica 45-39
1974-75 Académico Porto-CIF 55-41
1975-76 CIF-Benfica 80-15
1976-77 CIF-Académico Porto 55-46
1977-78 CIF-LX Oriental 51-35
1978-79 CIF-Olivais FC 57-44
1979-80 CIF-Académico Porto 74-49
1980-81 Académico Porto-Algés 54-47
1981-82 Algés-Olivais FC 82-46
1982-83 Algés-Académico Porto 69-58
1983-84 CIF-Independente 72-57
1984-85 Algés-Académico Porto 94-55
1985-86 Algés-CIF 71-64
1986-87 Algés-Académico Porto 88-48
1987-88 CIF-Algés 88-46
     
+Campo neutro; *recinto adversário  

O clube que mais dominou este período, 1963-64 a 1987-88, foi o CIF com sete triunfos, entre os quais, cinco consecutivos (1975-76 a 1979-80), recorde da prova, ainda não igualado. Segue-se o Académico Porto e o Algés com cinco cada. O Académico Porto conseguiu mesmo um tetra (1971-72 e 1974-75) e o Algés um tri (1984-85 a 1986-87).  Os portuenses não mais triunfaram. O Algés só festejou mais uma vez, em 2012-13.

 Apenas cinco clubes triunfaram durante estes 25 anos. Três estão mencionados no parágrafo acima. Os outros venceram as primeiras oito edições, repartindo igualmente os troféus e não mais ganharam após estas vitórias: CDUP, venceu as primeiras quatro taças (1963-64 a 1966-67) e a Académica as seguintes quatro (1967-68 a 1970-71). De ressalvar que enquanto o CDUP só foi uma vez campeão nacional, a Académica, apesar de não festejar desde 1975-76, é ainda a equipa com mais razões para sorrir no escalão máximo desta modalidade, com dez. O CIF, segue-se com nove. Dos aqui mencionados: Académico Porto tem dois títulos, Algés por sua vez seis.

 

Finais da Taça Portugal voleibol feminino: 1972-73 a 1992-93

fpv 2

Nestas 21 épocas, o principal laureado foi o Leixões com oito triunfos, seis dos quais consecutivos, 1974-75 a 1979-80, que ainda é um recorde nesta competição, conseguindo cinco dobradinhas seguidas entre 1975-76 e 1979-80; feito repetido em 1988-89. O Atlético conseguiu o tri, vencendo entre 1981-82 e 1983-84, nunca foi campeão nacional; o mesmo se passa com o Sporting, com um bis, 1984-85 e 1985-86, também, nunca festejou o troféu máximo. O Benfica venceu as duas primeiras, 1972-73 e 1973-74, duas dobradinhas, a seguir ao título na I Divisão em 1974-75, nada mais ganhou até hoje. O Estrelas Avenida celebrou em 1989-90, juntando ao título da I Divisão de 1990-91. O mesmo fez o CDUP, que à festa de 1961-62, dezanove anos depois, adicionou a taça a esse campeonato. O Boavista, um dos grandes colecionadores de Taças de Portugal, triunfou em 1986-87, 1987-88, 1991-92 e 1992-93, quatro das sete que tem no seu palmarés.

ÉPOCA FASE ATINGIDA/ADVERSÁRIO RESULTADO
1972-73 Benfica-Leixões 3-1 (15-8,15-12,15-17,15-9)
1973-74 Benfica-CDUP 3-0 (15-8,15-12, 15-9)
1974-75 Leixões-Benfica 3-2 (15-10,9-15,15-7,9-15,15-11)
1975-76 Leixões-Benfica 3-2 (15-13,15-11,14-16,14-16,15-7)
1976-77 Leixões-Benfica 3-1 (15-11,12-15,15-11,15-11)
1977-78 Leixões-Benfica 3-0 (15-5,15-5,15-12)
1978-79 Leixões-Atlético 3-0 (15-8,15-7,15-6)
1979-80 Leixões-CDUP 3-0 (15-6,15-9,16-14)
1980-81 CDUP-CDUL 3-0 (15-9,15-1,15-5)
1981-82 Atlético-Leixões 3-1 (4-15,15-12,15-8,15-8)
1982-83 Atlético-Leixões 3-0 (15-13,15-11,15-10)
1983-84 Atlético-Leixões 3-2 (11-15,16-18,15-2,15-5,15-6)
1984-85 Sporting-Boavista 3-1 (15-12,15-11,6-15,15-9)
1985-86 Sporting-Leixões 3-2 (15-17,15-11,15-13,8-15,19-17)
1986-87 Boavista, 6pts- Leixões, 5pts
1987-88 Boavista, 6pts- Leixões, 5pts
1988-89 Leixões-Estrelas Avenida 3-1 (15-4,15-10,9-15,15-3)
1989-90 Estrelas Avenida-Benfica 3-0 (15-5,16-14,15-11)
1990-91 Leixões-Estrelas Avenida 3-1 (15-10,11-15,15-7,15-5)
1991-92 Boavista-Leixões 3-1 (15-11,17-15,13-15,15-5)
1992-93 Boavista-Sporting 3-1 (15-9,15-5,13-15,15-1)
+Campo neutro; *recinto adversário

Finais da Taça Portugal de Voleibol: 1964-65 a 1988-89

fpv

Nos alvores da Taça de Portugal de Voleibol, a primeira taça foi para o Sporting Espinho frente ao pouco conhecido Académica Avintes. Marcou também a primeira dobradinha da história da modalidade em Portugal. Depois, o Benfica conseguiu a primeira das 14 taças que ostenta no palmarés. É o que mais vezes a conquistou. O Técnico, ainda o segundo clube com mais campeonatos conquistados (13), apesar do último ter sido em 1967-68 e de muitos terem sido conquistados quando a Taça de Portugal ainda não se jogava, conseguiu em 1966-67 a sua única dobradinha e a sua única taça. Disputaria mais uma final, em 1976-77, derrotado pelo Leixões.

Os matosinhenses obtiveram todas as suas cinco taças que têm no seu historial, durante este primeiro período de tempo analisado, festejaram a primeira em 1968-69, batendo o Benfica no primeiro desses triunfos. Seguiram-se vitórias em 1972-73 frente ao Sporting Espinho, o já falado frente ao Técnico, em 1982-83 frente ao Esmoriz e em 1988-89 contra o Sporting. Também, 1988-89, marcou, apesar dos oito campeonatos ganhos pelo Leixões, a única dobradinha do seu palmarés. Dobradinha maldita, pois, desde 1988-89, que o Leixões não ganha nada.

O FC Porto, que não tem voleibol desde 1990-91, venceu todas as suas seis taças neste hiato temporal, conseguindo ganhar três de forma consecutiva entre 1969-70 e 1971-72. Depois voltou a celebrar nos anos 80 (1986-87 e 1987-88), apesar de nessas duas temporadas não ter havido final, isto é, disputou-se um mini-campeonato de quatro equipas, quem fizesse mais pontos ganhava a prova.

O Benfica foi o clube que mais taças ganhou neste período: sete, conseguindo dois tris nos anos 70, entre 1973-74 e 1975-76, 1977-78 e 1979-80. O Sporting Espinho glorificou-se por quatro vezes; uma das maiores surpresas da competição, o ISEF em 1985-86; Esmoriz em 1981-82, fecham os clubes que venceram a Taça de Portugal neste período.

Finalmente, destaque para um pormenor, a derrota do Lisboa e Ginásio na final de 1965-66. Única final alcançada e consequente derrota, marcaram um dos últimos grandes momentos deste clube no voleibol. Foi um dos grandes animadores dos campeonatos de voleibol nas suas primeiras três décadas, chegando ao título máximo em 1961-62.

 

ÉPOCA FASE ATINGIDA/ADVERSÁRIO RESULTADO
     
1964-65 Sporting Espinho-Académica Avintes 3-0 (15-7,15-6,15-10)
1965-66 Benfica-Lisboa e Ginásio 3-1 (15-4,15-11,12-15,15-10)
1966-67 Técnico-Benfica 3-2 (15-7,15-5,8-15,11-15,15-8)
1967-68 FC Porto-Sporting Espinho 3-1 (16-14,13-15,15-9,15-13)
1968-69 Leixões-Benfica 3-0 (17-15,15-5,15-12)
1969-70 FC Porto-Benfica 3-2 (15-10,13-15,9-15,15-8,15-13)
1970-71 FC Porto-Leixões 3-2 (15-12,9-15,9-15,15-13,17-15)
1971-72 FC Porto-Benfica 3-0 (15-6,15-13,15-11)
1972-73 Leixões-Sporting Espinho 3-1 (15-5,11-15,15-5,15-12)
1973-74 Benfica-Leixões 3-1 (15-6,15-11,6-15,16-14)
1974-75 Benfica-Sporting Espinho 3-0 (15-4,15-5,15-10)
1975-76 Benfica-FC Porto 3-1 (13-15,15-4,15-13,15-13)
1976-77 Leixões-Técnico 3-0 (15-4,15-3,15-8)
1977-78 Benfica-FC Porto 3-0 (15-12,15-10,15-10)
1978-79 Benfica-Atlético Madalena 3-0 (15-4,15-7,15-11)
1979-80 Benfica-Leixões 3-1 (9-15,15-11,15-8,20-18)
1980-81 Sporting Espinho-Leixões 3-2 (15-17,15-8,15-11,13-15,15-13)
1981-82 Esmoriz-CDUL 3-0 (15-12,15-4,15-12)
1982-83 Leixões-Esmoriz 3-0 (15-12,16-14,15-6)
1983-84 Sporting Espinho-Esmoriz 3-0 (15-10,15-7,15-13)
1984-85 Sporting Espinho-Académica São Mamede 3-1 (15-9,16-14,9-15,15-11)
1985-86 ISEF-Sporting Espinho 3-2 (15-8,11-15,8-15,15-10,15-8)
1986-87 FC Porto (6pts)-Leixões (5pts)  
1987-88 FC Porto (6pts)-Benfica (5pts)  
1988-89 Leixões-Sporting 3-1 (15-9,6-15,15-13,15-12)
     
     
+Campo neutro; *recinto adversário  

 

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑