Oliveirense na Liga de Basquetebol

fpb 11

A Oliveirense sagrou-se bicampeã de Basquetebol em 2018-19. Bateu o Benfica na final. Foi a sua 6ª presença em finais, só venceu as últimas duas. Perdeu em 1996-97 para o FC Porto e entre 2000-01 a 2002-03, todas para a Portugal Telecom. O campeonato de basquetebol do principal escalão começou em 1932-33, a Oliveirense só se estreou nele na década de 90, em 1993-94. Foram precisos 24 anos para ser campeão, feito conseguido em 2017-18 e duas versões, já que, em 2005-06 decidiram acabar com a equipa sénior. Começando depois por baixo, até chegar  em 2013-14. A partir daí foi o tempo para construir uma equipa campeã. De referir que os play-offs que existem atualmente só se iniciaram em 1987-88. Assim, as classificações são condicionadas pelo desempenho nestes. Deixo aqui as suas classificações.

Oliveirense-19 presenças
 
Épocas: 1993-94 a 2005-06, 2013-14 a 2018-19
 
 
Campeão :2018,2019
2ªlugar :1997,2001,2002,2003
3ºlugar :1995,2017
4ºlugar :2005,2016
5ºlugar :1998,2004
6ºlugar :2000,2006
7ºlugar :1996
8ºlugar :2015
9ºlugar :1994,2014
11ºlugar :1999

 

 

Anúncios

XXII Europeu de Basquetebol Feminino, 1989, Bulgária: mais um para a União Soviética

 

 

 

1989- Bulgária: União Soviética

   
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo A) Checoslováquia 78-75
      Itália 79-48
      Holanda 59-56
    Meias-finais Bulgária 90-71
    FINAL Checoslováquia 64-61
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro; a) apurado por moeda ao ar
 

Apesar de haver jogos com a União Soviética mais renhidos, os outros países já não eram atropelados quando jogavam com as russas, esta voltou a ser campeã.  Continuava a ganhar consecutivamente desde o título 1958 que fugiu para a Bulgária. Mas, já se reparava que esta hegemonia estava cada vez mais ameaçada. A Checoslováquia foi vice-campeã pela sétima vez e última, pois esta país ia ser dividido em dois no início da década de 90. Nunca foi campeã, apesar de vários lugares no pódio. A Bulgária também foi o quarto e último bronze da sua história. A Jugoslávia ficou num honroso quarto lugar pela quarta ocasião.

 

fpb 5

XXII Europeu de Basquetebol, 1981, Checoslováquia: título para os soviéticos

fiba 19

O fim do domínio dos soviéticos nesta prova estava a chegar ao fim apesar destes se terem sagrado campeões europeus nesta edição de 1981, na Checoslováquia. Após este título, só venceram mais dois, em 1985 e em 2007, já somente como Rússia. Estava a chegar o fim de uma era onde estes dominaram o basquetebol europeu ao nível de seleções.  Um percurso imaculado, ganharam todos os jogos e todos por mais de dez pontos, curiosamente o mais equilibrado foi o primeiro onde derrotaram a Polónia por 101-89. Na final, a Jugoslávia não teve soluções para a União Soviética, perderam por 17 pontos e assim foi o 13ºtítulo para esta nação. Para os jugoslavos era a quinta vez que ficaram com a prata. Para o país organizador, Checoslováquia, era a quinta vez também que obtiveram o bronze, quinta e última. Depois da divisão deste país em dois, República Checa e Eslováquia, no início dos anos 90, os seus sucessores ainda não atingiram este patamar. A Espanha ficou com o quarto lugar, classificação honrosa, pela segunda vez.

 

 

 

 

1981- Checoslováquia: União Soviética

   
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo B) Polónia 101-89
      RFA 86-54
      Itália 97-67
      Turquia 97-79
      Jugoslávia 108-88
    Fase Final [Itália 97-67-resultado que transita da 1ªfase acumulando aos jogos desta fase final]
      (Jugoslávia 108-88] -resultado que transita da 1ªfase acumulando aos jogos desta fase final
      Checoslováquia 110-84
      Espanha 110-101
      Israel 102-84
    FINAL Jugoslávia 84-67
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro; a) apurado por moeda ao ar
 

 

Golden State Warriors campeões da NBA em 1974-75

nba 1

Liderados pelo jogador Rick Barry, um dos melhores jogadores da história deste franchise, os Golden State Warriors conquistaram o título da NBA de 1974-75, batendo na final os Washington Bullets, favoritos nessa final, vencendo por 4-0, não cedendo qualquer derrota. Uma vitória clara que à altura ninguém esperava. Já tinham dois títulos mas ambos quando estavam em Philadelphia em 1946-47 (o primeiro campeonato da história da NBA) e em 1955-56. Este foi o primeiro em Oakland onde se têm mantido até à atualidade. Depois desta glória, foi preciso esperar 40 anos para chegaram à final da NBA. E em 2014-15 festejaram novo triunfo diante dos Cleveland Cavaliers. Se a geração de Rick Barry era boa, desde 2014-15 tiveram provavelmente a melhor fornada de jogadores da sua história. Quatro finais seguidas, algo nunca alcançado antes, com três títulos, dois consecutivos algo também nunca visto: 2016-17 e 2017-18. Jogadores como Seth Curry, Kevin Durant, Klay Thompson e Draymond Green, treinados por Steve Kerr, levaram este franchise à sua melhor fase. Kerr por exemplo é o treinador com melhor percentagem de vitórias na fase regular de todos os que já treinaram na NBA. Esta temporada tudo é possível. Perseguem o terceiro título seguido algo que só os Boston Celtics conseguiram quando ganharam oito seguidos (1958-59 a 1965-66), os Minneapolis Lakers e depois Los Angeles Lakers (1951-52 e 1953-54; 1999-2000 a 2001-02) e os Chicago Bulls de Micheal Jordan e Phil Jackson (treinador com mais títulos da NBA onze) por duas vezes 1990-91 e 1992-93; 1995-96 a 1997-98). Veremos se conseguem.

 

 

 

 

es

 

1974-75, NBA: Golden State Warriors

   
   
         
         
         
    Fase Regular Conferência Oeste, Divisão Pacífico   82 J 48V 34D  58,5%
    Play-off Conferência Oeste    
    Meias-finais Seattle SuperSonics 4-2 (123-96; 99-100; 105-96*; 94-111*; 124-100; 105-96*)
    Final Chicago Bulls 4-3 (107-89; 89-90*; 101-108*; 111-106; 79-89; 86-72*; 83-79)
    FINAL NBA Washington Bullets 4-0 (101-95*; 92-91; 109-101; 96-95*)
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro; a) apurado por moeda ao ar
 

 

 

IV Mundial de Basquetebol 1963 Brasil: título para os anfitriões

fiba 15

 

 

 

 

 

1963, Brasil: Brasil

   
   
         
         
         
    1ªfase Isento  
    Fase Final Porto Rico 62-55
      Itália 81-62
      Jugoslávia 90-71
      França 77-63
      União Soviética 90-79
      EUA 85-81
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro; a) apurado por moeda ao ar
 

 

Quarta edição do Campeonato do Mundo de Basquetebol realizada no Brasil em 1963. Os anfitriões eram os detentores do título e fizeram a festa outra vez conseguindo o bicampeonato. Não mais o Brasil foi campeão do mundo de basquetebol. Mas conta com dois ouros o que não é mau! A Jugoslávia conseguiu a sua primeira medalha neste evento a prata. Foi o prenúncio de várias conquistas! A União Soviética ao atingir o bronze também foi o seu primeiro lugar no pódio. O mesmo que se disse da Jugoslávia se pode dizer dos russos, foi a primeira de muitas. Os americanos ficaram em quarto, uma das poucas vezes que falharam as medalhas. Como era hábito na altura nas modalidades não houve uma final para decidir o título. Fazia-se uma primeira fase de grupos que apurava para um grupo final onde quem ganhasse mais jogos era campeão. O Brasil como país organizador ficou diretamente apurado para a fase final. Aí, venceu os seis jogos e sagrou-se pela segunda vez campeão mundial.

 

XXI Europeu de Basquetebol, 1979, Itália: mais um para os soviéticos

fiba 14

 

Depois do tri jugoslavo, nas últimas três edições, a União Soviética recuperou o título. Cedeu apenas uma derrota na primeira fase de grupos diante da Espanha. De resto, venceu todos os jogos. Com maior ou menor dificuldade os russos chegaram à final contra a surpreendente Israel. Na final uma vitória concludente por 98-76 chegou para mais um troféu. Israel ficou em segundo lugar, melhor classificação de sempre e única vez que ficou nos quatro primeiros. Os melhores resultados a seguir a isto são dois quinto lugares em 1953 e 1977.  A Jugoslávia mesmo assim não saiu de mãos a abanar pois conquistou o bronze. A Itália, país anfitrião fixou-se no quarto lugar, um lugar respeitável.

 

 

 

 

 

 

1979-Itália: União Soviética

   
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo B) Holanda 92-84
      Bulgária 104-71
      Espanha 90-101
    Fase Final [Espanha 90-101] -resultado que transita da 1ªfase acumulando aos jogos desta fase final
      Jugoslávia 96-77
      Checoslováquia 71-66
      Israel 92-71
      Itália 90-84
    FINAL Israel 98-76
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

III Mundial de Basquetebol Feminino, 1959, União Soviética: título para as russas

O terceiro mundial de basquetebol feminino teve lugar na União Soviética, em 1959. Desta vez foi apenas decidido num único grupo com oito seleções, onde quem ganhasse mais jogos sagrar-se-ia campeão. Os EUA não participaram. Sem a oposição das americanas, as russas não tiveram grandes dificuldades em conquistar este título. Já dominavam a nível europeu, isto foi só juntar o útil ao agradável, o seu primeiro cetro mundial. Venceram todos os seus jogos por mais de dez pontos, o que expressa esse sinal, não houve adversários à altura. A Bulgária, ao ser segunda classificada, alcançou a sua melhor classificação de sempre, não mais superada ou igualada. A Checoslováquia conseguiu mais um pódio, o segundo bronze. A Jugoslávia obteve um honroso quarto lugar, que ainda ia demorar um tempo até ser repetido.

 

fiba 13

 

 

 

 

 

 

1959-União Soviética: União Soviética

   
   
         
         
         
    Fase Final Jugoslávia 80-42
      Polónia 67-45
      Hungria 51-29
      Coreia do Sul 89-24
      Checoslováquia 59-46
      Roménia 70-39
      Bulgária 51-38
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

III Mundial de Basquetebol, 1959, Chile: título para o Brasil

 

 

 

 

 

1959-Chile: Brasil

   
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo B) Canadá 69-52
      União Soviética 64-73
      México 78-50
    Fase Final Formosa 94-76
      Bulgária 62-53
      União Soviética 63-66
      Porto Rico 99-71
      EUA 81-67
      Chile 73-49
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

Pela terceira vez disputou-se o Mundial de Basquetebol em 1959 no Chile. Aqui houve uma grande surpresa: os brasileiros sagraram-se campeões mundiais. Isto apesar de terem perdido duas vezes diante da União Soviética, na primeira fase de grupos e no grupo final. Neste grupo final, venceram os outros cinco jogos, obtendo esse título. Mais uma vez, não havia final, era um grupo final que resultava de uma primeira fase de grupos, com sete seleções, onde quem ganhasse mais jogos era campeão. O Chile, país anfitrião, ficou em terceiro lugar, segundo e último bronze da sua história, depois do de 1950. A Formosa ficou em quarto lugar, melhor classificação de sempre. Para o Brasil foi o primeiro título, mas não o último.

 

fiba 12

II Mundial de Basquetebol Feminino 1957 Brasil: bi para os EUA

1957- Brasil: EUA
   
 
 
  1ªfase (Grupo A) Perú 75-37
  Argentina 64-39
  Checoslováquia 50-53
  Fase Final Hungria 51-46
  Brasil 67-44
  Chile 76-47
  Checoslováquia 61-55
  Paraguai 60-40
  URSS 51-48
 
 
 
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

A segunda edição do mundial de basquetebol feminino realizou-se no Brasil, em 1957. Os favoritos eram os do costume: EUA, URSS, Brasil e Checoslováquia, mais os primeiros. Segundo torneio, segundo título para as americanas. A fase de grupos nem foi a melhor, perderam um jogo, mas, como ganharam os outros dois apuraram-se para a fase final. Esta consistia em um grupo de sete equipas, todos contra todos, o que ganhasse mais jogos era campeão. Os EUA venceram todos os jogos e sagraram-se campeões. Um caminho com encontros muitos renhidos, sobretudo o decisivo para a atribuição do título diante das russas que ficou decidido por uma diferença de 3 pontos. Cinco foi a margem de vitória contra a Hungria no primeiro encontro desta etapa. Ao triunfarem neste seis jogos, uns mais difíceis que outros, fizeram a festa.

O pódio ficou concluído com o segundo lugar da URSS e o bronze para a Checoslováquia. Resultados que ambas as nações iriam melhorar no futuro. O Brasil ficou em quarto, igualando o resultado da edição anterior; também iria fazer mais nas edições seguintes.

 

fiba 8

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑