I Mundial de Andebol Feminino, 1957, Jugoslávia: título para a Checoslováquia

fap

 

Depois do primeiro mundial masculino de Andebol se ter disputado em 1938, 19 anos depois realizava-se o primeiro feminino. Teve lugar na Jugoslávia. Ao contrário do sexo oposto, este conteve mais que quatro seleções. Jogou-se mais que uma fase, em concreto, houve duas fases de grupos, sendo que na segunda o vencedor de cada emparelhamento defrontava-se numa final para determinar o campeão ou neste caso as campeãs. A Checoslováquia ganhou todos os jogos antes da final, sendo que o mais renhido foi contra a Suécia na primeira fase de grupos, 5-4 foi o resultado final. Na final diante da Hungria, as checas venceram com alguma tranquilidade, sete a um foi o desfecho, dando o título a essa nação. Foi o desenlace final de uma competição que teve aqui a sua primeira edição.

 

1957, Jugoslávia: Checoslováquia    
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo B) Hungria 8-4
      Suécia 5-4
    2ªfase (Grupo II) Áustria 12-3
      RFA 10-4
    FINAL Hungria 7-1
         
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

Anúncios

I Mundial de Andebol, 1938, Alemanha: título para os germânicos

1938, Alemanha: Alemanha    
   
         
         
         
    Fase Final Dinamarca 11-3
      Suécia 7-2
      Áustria 5-4
         
         
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

O primeiro Mundial de Andebol decorreu na Alemanha em 1938, um ano antes da II Guerra Mundial que posteriormente dividiu a nação germânica. Porém, estamos a falar do que aconteceu nesse evento. Só quatro seleções participaram. A forma que se encontrou para chegar a campeão do mundo foi um minicampeonato entre o quarteto, a que conseguisse mais pontos tinha conquistado essa designação. Atenda-se que ao contrário do futebol, onde nos seus primeiros tempos se marcava mais golos que agora, no Andebol sucede o inverso, nos seus alvores marcava-se bastante menos que atualmente. Assim se justifica os poucos golos marcados nesta edição. A Alemanha triunfou com alguma facilidade nos primeiros dois jogos e no decisivo pois a Áustria também tinha ganho os dois, venceu com alguma dificuldade este país, conquistando o seu primeiro título. Seriam precisos quase meio século para alcançar o segundo. Mas, neste fez a festa.

 

fap

XIX Europeu de Voleibol Feminino, 1995, Holanda: Holanda campeã

cev 2

 

A Holanda organizou esta edição do Europeu de Voleibol Feminino. Uma prova que contou com uma final de certa forma inesperada, entre a Croácia e a Holanda. A favorita Rússia foi eliminada pelas anfitriães nas meias. Tendo em conta que as holandesas perderam as últimas duas finais, em 2015 e 2017, tem que se dar valor a este facto: em 1995 conquistaram o seu único título europeu que ostentam no palmarés. Curiosamente a única derrota neste evento foi na fase de grupos, diante da Croácia. Na final tiveram a sua vingança onde triunfaram por fáceis 3-0, num jogo que em princípio deviam ter tido mais dificuldades. Infelizmente, a Holanda não deu ainda seguimento a este título, continuando a ser o único da sua história.

1995, Holanda: Holanda    
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo 2) Bulgária 3-1 (15-9,15-9,8-15,15-10)
      Itália 3-0 (15-10,15-13,15-5)
      Turquia 3-0 (15-11,15-7,15-12)
      Croácia 2-3 (15-12,11-15,11-15,15-12,11-15)
      República Checa 3-0 (15-7,15-4,15-13)
    Meias-finais Rússia 3-1 (15-7,15-7,12-15,15-7)
    FINAL Croácia 3-0 (15-7,15-13,15-2)
         
         
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

XIX Europeu de Voleibol, 1995, Grécia: título para a Itália

1995, Grécia: Itália    
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo 2) Roménia 3-0 (15-7,15-2,15-5)
      Bulgária 3-0 (15-6,15-10,15-12)
      Polónia 3-0 (15-8,15-6,16-14)
      República Checa 3-0 (15-8,17-15,15-11)
      Rússia 1-3 (10-15,12-15,15-4,10-15)
    Meias-finais Jugoslávia 3-1 (15-11,10-15,15-6,15-9)
    FINAL Holanda 3-2 (13-15,15-10,11-15,15-12,15-11)
         
         
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

A sorte estava a mudar. Os vencedores e finalistas eram outros. A Rússia já não dominava isto como queria. Isto é verdade porque a final foi entre a Itália e a Holanda, isto, apesar da derrota dos italianos diante da Rússia na primeira fase. Todavia, já tinham o apuramento garantido quando disputaram esse jogo. Nas meias-finais, a Itália teve algumas dificuldades diante dos jugoslavos, precisou de quatro sets para se qualificar para a final. O jogo decisivo foi diante da Holanda e foi uma das finais mais renhidas da história dos Europeus de voleibol: cinco sets, os holandeses estiveram a vencer por dois sets a um, porém, a Itália ganhou o quarto e quinto sets, todos com um resultado muito apertado e assim somou mais um título neste evento. A Holanda continuava à procura do seu primeiro ouro depois de ter estado perto várias vezes nas últimas edições deste torneio.

 

cev

XIX Europeu de Basquetebol Feminino, 1983, Hungria: mais um para a URSS

fiba 3

 

Mais um Europeu Feminino de Basquetebol, Hungria, 1983, mais um título para a União Soviética. A hegemonia continuava e continuaria durante a década de 80. Nada a dizer! Venceram todos os jogos. Todos por mais de vinte pontos. A final foi o mais “renhido”: triunfo diante da Bulgária por 91-70, isto é, vinte e um pontos de vantagem. E este foi o mais equilibrado! Um autêntico passeio rumo a mais um campeonato. A nível europeu, nesta altura, as russas faziam o que queriam. Não tinham oposição à altura. As outras seleções cingiam-se a lutar pelos outros dois lugares do pódio, prata e bronze. De resto, simplesmente, ninguém era capaz de se opor ao império soviético. Há muito tempo que isto sucedia e as coisas pareciam longe de se vislumbrar uma mudança. Só nos anos 90 é que tudo se alteraria.

 

1983, Hungria: URSS    
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo B) Suécia 105-74
      Bulgária 108-60
      Checoslováquia 97-55
      RFA 115-56
      Itália 83-53
    Meias-finais Hungria 103-69
    FINAL Bulgária 91-70
         
         
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro

Maratona clube com mais títulos internacionais

fpatletismo

 

Os dirigentes do Sporting andam a apregoar que são o clube português com mais títulos internacionais. Neste caso 27. É verdade que dos três grandes o são. Mas há mais clubes em Portugal. O desporto não se resume só a estes. Ainda que para muitos só contam estes. Esses 27 começam com: 15 Taça dos Campeões de Corta-Mato masculino com mais no feminino e ainda dois na pista, um em cada sexo; 1 Taça dos Campeões, 3 Taças das Taças e 2 Taças CERS no Hóquei em Patins; 2 Taças Challenge no Andebol e uma Taça das Taças em futebol. Apesar deste palmarés, há um clube que tem mais.

Esse clube é o Maratona. Que durante duas décadas deu condições à elite do atletismo português para só pensarem nas suas carreiras. Já não tem equipas seniores. Mas durante o período que as teve, conquistou inúmeros títulos de corta-mato e estrada a nível nacional, só faltou o de pista. E assim acumulou os troféus que serão demonstrados em baixo, num total de 33 títulos internacionais. Todos no atletismo mas contam de igual forma.

 

Maratona
 
Títulos Internacionais:
 
 
Taça dos Campeões de Corta-Mato Masculino :1995,1996,1997,1998,2000,2009 (6)
Taça dos Campeões de Corta-Mato Feminino :1994,1995,2000,2001,2002,2003,2004,

2005,2007,2011 (10)

Taça dos Campeões de Estrada Masculino :1994,1995,1996,1997,2000,2001,2007,

2009,2011 (9)

Taça dos Campeões de Estrada Feminino: :1994,1995,2002,2004,2006,2008,2010,

2011 (8)

   
Total :33 Títulos Internacionais
 
 

 

XIX Europeu de Basquetebol, 1975, Jugoslávia: título para os anfitriões

fiba 2

 

Depois do título de 1973, pondo fim à hegemonia soviética, em casa, a Jugoslávia alcançou o bi, somando o título de 1975 ao de dois anos atrás. Um campeonato em que não houve final. Houve sim um grupo final de cinco equipas, todos contra todos, acumulando o resultado da primeira fase de grupos da outra seleção qualificada do mesmo grupo, onde quem ganhasse mais encontros era campeã. A Jugoslávia transitou com uma vitória frente à Itália conseguida na primeira fase de grupos e venceu os outros quatro atingindo assim o seu segundo troféu, o seu segundo campeonato. Apenas a vitória, decisiva na atribuição do título, diante da União Soviética, foi por menos de dez pontos, seis no caso (90-84). De resto, tudo triunfos concludentes. Assim, a Jugoslávia somou o seu segundo Eurobasket. E esta geração ainda não tinha acabado.

 

1975, Jugoslávia: Jugoslávia    
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo A) Holanda 102-76
      Turquia 92-65
      Itália 83-69
    2ªfase (Grupo II) [Itália 83-69] -resultado que transita da 1ªfase acumulando aos jogos desta fase final
      Espanha 98-76
      Checoslováquia 84-68
      Bulgária 105-76
      URSS 90-84
         
         
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

XIII Europeu de Andebol, 2018, Croácia: finalmente ganha a Espanha

ehf

 

A décima terceira edição do Europeu de Andebol foi disputada na Croácia em 2018. Este evento trouxe duas novidades: a Espanha finalmente à quinta final vence-o; a Suécia perde pela primeira vez uma final, a quinta que disputou. A França fechou no pódio em terceiro lugar. Os espanhóis nem sequer fizeram uma primeira fase de grupos perfeita, cedendo uma derrota diante da Dinamarca. Numa segunda fase de grupos extremamente equilibrada só conseguiram a passagem para as meias-finais no último jogo, triunfando contra os detentores do troféu, a Alemanha. Nas meias-finais derrotaram a França, campeão do Mundo, talvez se tenha assistido aqui a uma passagem de testemunho, e na final o que sucederia? A Suécia, com alguma surpresa, chegou à final, a sua quinta. Tinha ganho as outras quatro, apesar da última já ter sido em 2002. A Espanha, por sua vez, atingia a sua quinta final, nunca tinha festejado. Mas, finalmente, os espanhóis conseguiram vencer a maldição e sagraram-se campeões da Europa pela primeira vez. A estes associa-se dois títulos mundiais, o último em 2013. Foi uma grande festa após tantas frustrações!

2018, Croácia: Espanha    
   
         
         
         
    1ªfase (Grupo D) República Checa 32-15
      Hungria 27-25
      Dinamarca 22-25
    2ªfase (Grupo II) [República Checa 32-15] -resultado que transita da 1ªfase acumulando aos jogos desta fase final
      [Dinamarca 22-25] -resultado que transita da 1ªfase acumulando aos jogos desta fase final
      Macedónia 31-20
      Eslovénia 26-31
      Alemanha 31-27
    Meias-finais França 27-23
    FINAL Suécia 29-23
         
         
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

 

 

2014, Mundial do Brasil: 24 anos depois a Alemanha festeja

64 anos depois o Mundial regressava ao Brasil e tal como em 1950 este foi traumático para os anfitriões. A Alemanha conquistou novamente o cetro e deixou bem vincado isto ao esmagar os brasileiros nas meias-finais por 7-1. A maior humilhação da sua história em casa, perante o seu público. Se em 1950 tinham perdido um encontrou diante do Uruguai, onde só precisavam um empate para serem campeões, aqui foram completamente dilacerados pelos alemães. Mundial no Brasil significa trauma para estes. A Alemanha depois de esmagar os anfitriões nas meias-finais, na final teve mais, muito mais, complicações, onde só no prolongamento bateram a Argentina de Messi. Pela primeira vez desde a unificação os germânicos ganharam esta prova. E Messi continua sem ganhar nada de importante pelo seu país. É verdade que nos Jogos Olímpicos de 2016, o Brasil venceu a Alemanha na final, conseguindo o ouro olímpico, mas não é bem a mesma coisa!

A Argentina após duas décadas sem fazer nada de jeito neste evento chegou à final. Também 24 anos depois da última, em 1990, onde perderam para a RFA. O país germânico ainda não estava unificado. Aí liderados por Maradona conseguiram chegar tão longe. Com Messi parecia que finalmente o título não ia fugir, mas os germânicos foram melhores, tal como em 1990. Os vice-campeões de 2010, a Holanda chegou às meias-finais, onde só cederam nas grandes penalidades, contra a Argentina. Venceram depois o jogo da consolação, acabando em terceiro lugar. Por sua vez, a Espanha, a Itália e a Inglaterra não passaram a fase de grupos. Uma autêntica desilusão!

A Costa Rica e a Colômbia foram as grandes sensações deste Mundial. Ambas chegaram aos quartos-de-final pela primeira vez, sendo, que a primeira perdeu só nas grandes penalidades para a Holanda e os colombianos foram afastados pelo Brasil. Um jogador desta nação destacou-se, James Rodriguez, foi o melhor marcador deste evento. A Argélia também chegou pela primeira vez aos oitavos, empurrados para fora pelos alemães só no prolongamento. A Bélgica também alcançou os quartos, eliminada pela Argentina. Ainda se evidenciaram a Nigéria e os EUA que também disputaram os oitavos.

Portugal voltou a entrar num Mundial. Uma prova marcada pelas sucessivas lesões nos jogadores fruto de uma má planificação. A derrota por 4-0 com a Alemanha foi fundamental no resto da prova. Um empate a dois com os EUA e uma vitória tangencial contra o Gana não chegou para alcançar os oitavos. Mais uma má prestação em campeonatos do Mundo fora da Europa.

 

fifa 21

 

ÉPOCA   FASE ATINGIDA ADVERSÁRIO RESULTADO
         
2014, Brasil: Alemanha      
       
    1ªfase, Grupo G Portugal 4-0
      Gana 2-2
      EUA 1-0
    Oitavos-de-final Argélia 2-1 a.p.
    Quartos-de-final França 1-0
    Meias-finais Brasil 7-1
    FINAL Argentina 1-0 a.p.
         
 Onze principal: Neuer; Lahm, Boateng, Hummels e Howedes; Kramer (Schurrie), Schweinsteiger e Kroos; Muller, Klose (Goetze) e Ozil (Mertesacker)
         
Marcha do marcador: 1-0, por Goetze (113m)
         
* jogos no recinto adversário; +campo neutro;

 

 

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑