Óquei Barcelos vence a Taça CERS 2016-17

fpp 3

 

Uma viagem a Itália para defender um troféu. Não foi uma caminhada fácil até à final four da Taça CERS de 2016-17. Nos oitavos uma eliminatória equilibrada com os italianos do Follonica, apesar das duas vitórias nos dois jogos, foram jogos equilibrados. Nos quartos, uma reedição da final de 2015-16, diante dos espanhóis do Vilafranca, decidida em Barcelos com uma vitória por 6-3 que anulou a desvantagem de um golo, trazida de Espanha.

Conseguiria o Óquei Barcelos tornar-se a primeira equipa portuguesa a vencer duas edições consecutivas da Taça CERS? O Benfica, FC Porto e Sporting, tal como este, todos tinham duas conquistas neste evento, mas nenhuma seguida. Era o detentor do troféu, a final a quatro era em Itália, faria história?

Nas meias-finais defronte uma equipa italiana, Sarzana, o Óquei de Barcelos venceu-os num jogo equilibrado. Na final, diante doutra equipa transalpina, o organizador desta fase, num encontro muito igual, só no último minuto é que o Barcelos confirmou a vitória, por 4-2, somando a terceira Taça CERS, segunda consecutiva, igualando o Novara e o Liceo Corunha com o mesmo número de triunfos, tornando-se na primeira equipa portuguesa a triunfar em dois edições seguidas. Fará o que só o Oeiras conseguiu, três edições consecutivas de um mesmo evento? O Oeiras, relembre-se, conquistou três Taças das Taças seguidas, entre 1976-77 e 1978-79.

 

2016-17, Taça CERS: Óquei Barcelos    
   
         
         
         
    Oitavos-de-final Follonica (Ita) 3-1*/3-2
    Quartos-de-final Vilafranca (Esp) 2-3*/6-3
    Final Four Viareggio (Ita):  
    Meias-finais Sarzana (Ita) 3-1
    FINAL Viareggio (Ita) 4-2
         
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

 

 

18 anos depois, novo título: Europeu 2016, Hóquei em Patins

fpp

Depois de derrotas traumatizantes, especialmente, em casa, em 2012; e após um longo jejum, desde o Mundial de 2003, que não ganhava nada, Portugal voltou a festejar. O título mundial tinha sido em Oliveira de Azeméis, esta conquista, foi aí também. Parece ser uma cidade talismã para os portugueses, de novo, em 2016.

Tal como em 2003, a Espanha foi eliminada nas meias-finais. Tal como em 2003, frente à Itália. É verdade que a campeã em título era a Itália e que os castelhanos estão num período de transição, mas não deixa de ser uma coincidência engraçada.

Portugal teve um autêntico passeio até à final. Se as vitórias frente à Suíça e a Áustria eram esperadas, mais golo menos golo, a clareza do triunfo frente à Espanha (6-1), foi um bocado surpreendente. Depois, nova vitória nos quartos, sem discussão, diante a Inglaterra. Nas meias, o mesmo, à Suíça que tinha derrotado a França, nos quartos, onde causou alguma surpresa.

A final do Mundial de 2003 foi decidida no prolongamento, com um golo de Pedro Alves. Em 2016, não se chegou a isso. Portugal teve uma primeira parte desastrosa, mas fez uma segunda excecional, vencendo a final por 6-2. 18 anos depois novamente campeões europeus. Treze anos depois conquistou novamente algo, na mesma cidade. Espera-se pelo Mundial do próximo ano para ver até onde pode ir esta geração.

2016-Portugal: Portugal:
 
   
 
 
  1ªfase (Grupo B) Suíça 8-0
  Espanha 6-1
  Áustria 14-1
  Quartos-de-final Inglaterra 12-0
  Meias-finais Suíça 8-0
  FINAL Itália 6-2
 
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

 

 

 

 

 

 

 

Benfica campeão europeu de Hóquei em Patins 2015-16

cerh-2

 

Liga Europeia, 2015-16:        
Benfica      
         
    1ªfase (Grupo B) Vic (Esp) 5-1
      Mérignac (Fra) 5-2*
      Bassano (Ita) 8-2*
      Bassano (Ita) 9-6
      Vic (Esp) 6-7*
      Mérignac (Fra) 8-0
    Quartos-de-final Vendrell (Esp) 5-3*/5-5
    Meias-finais Barcelona (Esp) 1-1/2-1 g.p.
    FINAL Oliveirense (Por) 5-3
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

Depois do título de 2012-13, frente ao FC Porto, ao Benfica teve o privilégio de organizar a final four da Liga Europeia de hóquei em patins, da época 2015-16. Um dos concorrentes ao título era o defensor do troféu, o todo poderoso Barcelona. Portugal era também representado aqui pela Oliveirense. No fim, os encarnados sorriram.

Numa meia-final tensa frente ao Barcelona, só decidida nas grandes penalidades, a favor do Benfica, tal como em 2012-13, só o resultado final diferia, em vez de 4-4, foi 1-1. Assim, os lisboetas classificaram-se para a final três anos depois e pela sétima vez. Tal como nessa temporada, o adversário era português, neste caso, a Oliveirense.

Para a OIiveirense era a primeira final europeia, segunda no total, desde a vitória na Taça CERS em 1996-97. Nesse ano, a Oliveirense bateu uma equipa portuguesa, Gulpilhares. No entanto, o Benfica foi mais forte e venceu por 5-3, conquistando assim o seu segundo título europeu. A curiosidade é que foram ambos contra equipas portuguesas, nas duas vezes que uma final só com clubes lusitanos ocorreu na história desta prova. Se em 2012-13 tinha sido com Luís Sénica, nesta foi orientado por Pedro Nunes.

 

 

 

Óquei Barcelos vence a Taça CERS 2015-16

Taça CERS, 2015-16:        
Óquei Barcelos      
         
    1ªeliminatória Villach (Aut) 16-2/16-1*
    Òitavos-de-final Coutras (Fra) 7-7/12-3*
    Quartos-de-final Lodi (Ita) 8-4/6-6*
    Meias-finais

(Final Four)

Matera (Ita) 3-3/2-1 g.p.
    FINAL Vilafranca (Esp) 6-3
         
*jogos no estádio do adversário; +campo neutro
 

 

fpp 19

Óquei Barcelos nos anos 90 já tinha vencido tudo a nível europeu, cometendo mesmo o feito de se ter sagrado primeiro campeão europeu do que nacional. Voltando aos anos 90: Liga Europeia (Liga dos Campeões) e Taça Continental (Supertaça Europeia) em 1990-91; Taça das Taças em 1992-93; e Taça CERS em 1994-95. Entretanto, também perdeu uma final da Liga Europeia em 1993-94. Ganhou tudo. Depois, as coisas foram se perdendo. Duas finais perdidas: Taça CERS em 1998-99 e Liga Europeia em 2001-02. O clube foi também perdendo fulgor a nível nacional. Todavia, 21 anos depois, 14 anos depois da sua última final europeia, os barcelenses voltaram a vencer uma competição europeia: a Taça CERS de 2015-16.

Uma caminhada que começou com um passeio nas duas primeiras rondas, apesar do empate caseiro com a equipa francesa. Nos quartos-de-final, o vencedor da Taça de Itália 2015-16, Lodi, causou imensas dificuldades apesar de parecer ter sido feito com tranquilidade, onde os italianos chegaram a estar a vencer por quatro golos de diferença na segunda mão.

Óquei Barcelos conseguiu garantir a organização da final four em Barcelos, depois da polémica presença, na época anterior, nas meias-finais frente ao Reus. Apesar disso, não se pense que foi um passeio! Nas meias-finais, frente ao Matera, o jogo só foi decidido nas grandes penalidades, onde o clube português triunfou. Na final, começou a perder, mas acabou por triunfar com algum à-vontade face aos espanhóis do Vilafranca, por 6-3. 21 anos depois, um troféu europeu para Barcelos e Portugal.

 

Primeiro título da I Divisão de hóquei em patins do Benfica: 1950-51

1950-51 J V E D GOLOS P
1-Benfica 10 8 2 0 33-14 28
2-Paço d’Arcos 10 6 1 3 31-27 23
3-HC Sintra 10 4 4 2 36-29 22
4-Infante Sagres 10 3 3 4 23-20 19
5-Académico Porto 10 2 1 7 20-27 15
6-Sanjoanense 10 1 1 8 11-37 13

 

seleção

O campeonato nacional da I Divisão de Hóquei em Patins disputou-se pela primeira vez em 1938-39. O título foi para o Sporting. Só 36 anos depois é que os leoninos voltaram a ser campeões nacionais. O Benfica ainda teve que esperar mais de uma década, mas, em 1950-51, foram campeões sem margens para dúvidas, somando o seu primeiro título.

Um campeonato sem grande história pois os encarnados foram campeões sem derrotas, vencendo oito dos dez jogos, cedendo apenas dois empates. O segundo classificado, Paço d’ Arcos finalizou em segundo a cinco pontos dos lisboetas. O então detentor do título, HC Sintra ficou em terceiro longe do primeiro e a um do segundo colocado. Um passeio rumo ao primeiro troféu na I Divisão.

Refira-se que não havia subidas e descidas de divisão, ou seja, o último podia participar no campeonato da época seguinte e o primeiro não, isto, porque, era feita uma fase de apuramento anterior, onde, os três primeiros da Zona Norte e os três primeiros da Zona Sul ficavam apurados para a fase onde se decidia o título da I Divisão de Hóquei em Patins. Mas, para aí chegar era necessário passar por esta fase regional.

 

Paço d’Arcos, todas as classificações na I Divisão de Hóquei em Patins

Eis as classificações do Paço d’Arcos na I Divisão de Hóquei em Patins:

Paço d’Arcos-52 presenças
Épocas: 1940-41 a 1960-61, 1973-74, 1982-83 a 2006-07, 2009-10, 2011-12 a 2014-15
CAMPEÃO: 1942,1944,1945,1946,1947,1948,1953,1955
2ºlugar: 1941,1949,1950,1951,1952,1958,1960
3ºlugar: 1943,1954,1957,1959,1961,1988,1998
4ºlugar: 1956,2000,2004
5ºlugar: 1974,1987,1994,1999
6ºlugar: 1986,2013
7ºlugar: 1983,1989,1990,1995,1996,1997,2001,2002
8ºlugar: 2003,2015
9ºlugar: 1984,1985,1993,2005,2006
10ºlugar: 1991,1992,2012,2014
12ºlugar: 2007
14ºlugar: 2010

fpp 14

Campo Ourique (CACO) classificações na I Divisão Hóquei em Patins

Eis todas as classificações do Campo Ourique na I Divisão de Hóquei em Patins:

Campo Ourique-11 presenças
Épocas: 1951-52 a 1955-56, 1958-59 a 1960-61, 1964-65 e 1965-66, 1988-89
CAMPEÃO: 1954
2ºlugar: 1953,1959,1961
3ºlugar: 1955,1960,1965,1966
5ºlugar: 1952,1956
14ºlugar: 1989

fpp 16

  • Arquivos

  • Agosto 2017
    S T Q Q S S D
    « Jul    
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28293031