Os dois últimos títulos do Paço d’Arcos na I Divisão de hóquei em patins, 1952-53 e 1954-55

1952-53 J V E D GOLOS P
1-Paço d’Arcos 14 12  2  0 67-34 40
2-Campo Ourique 14  8  3  3 42-29 33
3-Infante Sagres 14  8  2  4 44-27 32
4-Benfica 14  8  2  4 60-43 32
5-HC Sintra 14  6  1  7 41-25 27
6-Académico Porto 14  4  2  8 32-46 24
7-Estrela Vigorosa 14  3  1 10 32-55 21
8-Sanjoanense 14  0  1 13 23-82 15

O Paços d’Arcos é uma das mais famosas coletividades de Portugal. É um clube com diversas modalidades, apesar, de não ter futebol. Já ganhou competições nacionais em hóquei em patins e andebol feminino; e chegou mesmo a vencer uma competição europeia no caso do hóquei: a Taça CERS (Liga Europa desta modalidade) em 1999-2000, perdendo, antes, duas finais da mesma.

Na modalidade coletiva  que mais títulos internacionais deu a Portugal, esta equipa, esteve poucas épocas ausentes do escalão máximo do hóquei em patins, desde a sua criação em 1938-39, teve nas já longíquas décadas de 40 e 50 o seu período de ouro, onde conquistou oito campeonatos. E não triunfou na Taça de Portugal, porque à altura não se disputava. Desde aí, ganhou a tal Taça CERS. Teve nas suas fileiras Jesus Correia, entre outros, figura mítica do Sporting, membro dos famosos cinco violinos, e também mitificado no Paço d’Arcos. Até porque, desde que se retirou não mais estes foram campeões.

Este foi o seu penúltimo título, ganho sem grandes problema: doze vitórias e dois empates. O segundo, Campo de Ourique, ficou a uns distantes sete pontos, num campeonato de apenas 8 equipas. No entanto, estes, no ano seguinte, conquistaram o seu único título, sobrepondo-se ao Benfica, Paço d’Arcos e HC Sintra, todas elas, clubes campeões nesta década. Ainda assim, o Paço d’Arcos venceu o seu sétimo título e muito bem deve ter sabido.

1954-55 J V E D GOLOS P
1-Paço d’Arcos 14 12  2  0 64-23 26
2-Benfica 14 10  2  2 65-30 22
3-Campo Ourique 14  7  2  5 44-40 16
4-Infante Sagres 14  5  4  5 41-40 14
5-HC Sintra 14  5  1  8 43-44 11
6-Estrela Vigorosa 14  3  4  7 25-41 10
7-HC Carvalhos 14  3  3  8 27-63  9
8-Académico Porto 14  2  0 12 14-42  4

Na altura não se sabia, como é óbvio. Contudo, este foi o oitavo e último título de campeão nacional ganho pelo Paço d’Arcos. Depois de um penta, na década de 40, foi só igualado e depois melhorado pelo FC Porto, este foi o fim dos seus dias de glória. Andaram perto em um par de ocasiões, depois disto, mas não adicionaram o nono. Agora esse desiderato está muito longe de sequer ser um objectivo palpável. Um dia de tamanha glória a curto prazo é quase utópico. Talvez daqui a uns tempos o Paço d’Arcos possa ambicionar o que tanto gozo lhe deve ter dado nas décadas de 40 e 50, do século XX.

Um campeonato também ganho, não pela mesma margem do de 1952-53, mas com alguma. Novamente doze vitórias e dois empates. O segundo classificado, Benfica, ficou a quatro pontos. Deste modo foi um ano inesquecível para o Paço d’Arcos. Será que conseguirão o nono algures no futuro?

fpp 14

Anúncios

Campeões nos dois géneros: voleibol, Castêlo Maia, 1993-94-femininos, 2000-01-masculinos

fpv

1993-94, I Divisão Voleibol Feminino, 1ªfase, Grupo A: J V D SETS P
1-Castêlo Maia  8  8  0 24-2 24
2-Leixões  8  5  3 15-13 18
3-Ginásio Vilacondense  8  4  4 12-13 16
4-Sporting Espinho  8  3  5 13-17 14
5-Técnico  8  0  8  3-24  8
 2ªfase, Série Primeiros:
1-Boavista 10  9  1 29-5 28
2-Castêlo Maia 10  8  2 26-9 26
3-Leixões 10  5  5 19-20 20
4-Sports Madeira 10  4  6 16-21 18
5-Sporting 10  3  7 11-23 16
6-Ginásio Vilacondense 10  1  9  6-29 12
Meias-finais:
Leixões-Castêlo Maia 0-3 (8-15,13-15,1-15)

3-0 (15-6,15-13,15-12)

Castêlo Maia-Leixões
FINAL:
Boavista-CastêloMaia 2-3 (15-12,11-15,15-10,11-15,14-16)

3-0 (15-13,15-1,15-4)

Boavista-Castêlo Maia
Castêlo Maia-Boavista 3-2 (15-6,15-10,6-15,16-17,22-20)
Castêlo Maia-Boavista 3-2 (15-9,15-17,15-6,5-15,15-13)

Antes de começar, colocar aqui toda a evolução do campeonato da I Divisão, de voleibol feminino, época 1993-94, seria muito extenso e maçador. Dai a preferência por colocar só o percurso do Castêlo da Maia. Este campeonato teve duas fases de grupos, sendo que mesmo a primeira fase tinha dois grupos; depois dessa duas etapas, houve play-offs para decidir do primeiro ao último lugar,neste caso, o décimo lugar. Seria uma elaboração muito longa. Ironicamente falando, foi um dos formatos mais criativos da história das modalidades coletivas!

A equipa maia foi seguindo o seu caminho, chegando às meias-finais do play-off, sem grandes problemas. Aí, também, passou calmamente para a final, com duas vitórias claras sobre o Leixões. Na final, sempre jogos muito renhidos, exceto o segundo, onde o Boavista ganhou claramente. Mas, o que realmente fez a diferença, foi o triunfo do Castêlo da Maia, no primeiro jogo, em casa do Boavista. Assim, transferiu a vantagem para seu lado, fechando o título, em casa, com dois jogos decididos na negra, muito renhidos e muito difícil, mas no, fim deve ter sabido muito bem ser campeão pela primeira vez.

Este seria o início da hegemonia da equipa maiata. Apesar, de na época seguinte, o título ter fugido para o Boavista, o Castêlo da Maia, até 2003-04, ganhou mais oito campeonatos (todos consecutivos) e também oito Taças de Portugal. Colocando-se no segundo lugar dos clubes com mais palmarés no voleibol feminino, só ultrapassado pelo Leixões.

2000-01, I Divisão Voleibol, 1ªfase: J V D SETS P
1-Castêlo Maia 18 18  0 54-11 36
2-Leixões 18 12  6 40-26 30
3-Esmoriz 18 12  6 39-29 30
4-Sporting Espinho 18 11  7 36-27 29
5-Marítimo 18  9  9 38-39 27
6-Nacional 18  9  9 34-35 27
7-Fiães 18  8 10 34-37 26
8-Benfica 18  7 11 30-39 25
9-Machico 18  3 15 26-45 21
10-Académica São Mamede 18  1 17 10-53 19
Série Primeiros, 2ªfase:
1-Castêlo Maia 10  7  3 24-12 35
2-Esmoriz 10  7  3 22-17 32
3-Sporting Espinho 10  6  4 23-17 31
4-Nacional 10  5  5 20-21 29
5-Leixões 10  2  8 12-25 27
6-Nacional 10  3  7 16-25 27
FINAL:
Castêlo Maia-Esmoriz 3-0 (25-17,25-19,25-17)
Esmoriz-Castêlo Maia 1-3 (17-25,25-27,25-16,20-25)
Castêlo Maia-Esmoriz 3-0 (25-19,25-16,25-16)

Ao contrário do setor feminino, onde o título festejado foi alcançado mais rapidamente, no masculino, foi preciso quase uma década sendo a segunda melhor equipa portuguesa, atrás do Sporting Espinho. Mas, curiosamente, num ano em que os espinhense venceram a única competição europeia da história do voleibol português, o Castêlo foi campeão. Num campeonato também demasiado extenso para colocar aqui, embora sem ter o formato tão criativo como o ulterior, com duas fases de grupo, onde a primeira apurava as equipas que iam lutar pelo título e as que iam lutar para não descer. Na série dos primeiros, os dois melhor classificados encontrar-se-iam na final à melhor de cinco.

O Castêlo Maia na primeira fase passeou, sem uma única derrota. Na série dos primeiros, cedeu três, mas a excelência da primeira, fez com que isto pouco contasse. Na final esmagou o Esmoriz, três vitórias em três jogos, sem nunca ir à negra. Assim, conseguindo ao fim de muitos segundo lugares ser campeão. Isto foi a época dourada do voleibol deste clube. Apesar, de não ter ganho tanto como nas senhoras, conseguiu vencer quatro campeonatos seguidos (2000-01 a 2003-04), três taças, também, seguidas (2001-02 a 2003-04), atingindo dois marcos: o primeiro foi o tetra só igualado e melhorado pelo Técnico, heptacampeão entre 1946-47 e 1952-53, e o hexa do Sporting Espinho entre 1994-95 e 1999-2000 (todos à custa do Castêlo Maia, se assim se pode dizer). E 3 taças seguidas, só o Sporting Espinho fez melhor (1995-96 a 2000-01), e o Benfica e o FC Porto também o obtiveram, sendo que os lisboetas o fizeram por 3 vezes.

Campeões em ambos os géneros: voleibol, Benfica, femininos, 1966-67; masculinos, 1980-81

1966-67, I Divisão Voleibol Feminino J V D SETS P
1-Benfica 10 9 1 27-4 19
2-CDUL 10 7 3 22-13 17
3-Leixões 10 7 3 22-11 16 (1 falta de comparência)
4-Académica 10 5 5 16-16 15
5-Arte e Recreio 10 1 9  6-27 11
6-Sporting Braga 10 1 9  5-27 11

Após alguns anos de quase campeões, o Benfica, em 1966-67, alcança o seu primeiro título de voleibol feminino. Troféu conquistado sem grandes problemas, pois, só cederam uma derrota e mais um set a juntar aos três dessa. O segundo classificado, CDUL, ficou a dois pontos, ou seja, teve mais duas derrotas. Este seria o primeiro de nove seguidos que coloca os encarnados, apesar de o último ter sido em 1974-75, como a segunda equipa coma mais títulos de voleibol feminino, igualado com o Castêlo Maia e a seis do primeiro, o Leixões com quinze. Isto apesar de não terem esta secção desde o início dos anos 90. Para concluir, ainda, o voleibol masculino do Benfica só conquistou cinco títulos, isto é, ainda estão relativamente longe dos nove do setor feminino.

1980-81, I Divisão Voleibol J V D SETS P
1-Benfica 14 12  2 39-12 26
2-Sporting Espinho 14 11  3 36-16 25
3-Leixões 14 11  3 35-15 25
4-Esmoriz 14  9  5 31-16 23
5-Técnico 14  6  8 21-29 20
6-Francisco Holanda 14  5  9 21-30 19
7-CDUL 14  1 13  9-39 15
8-Gil Vicente 14  1 13  5-40 15

Isto é mesmo assim, não há como dizer de outra maneira! Assim após sete Taças de Portugal conquistados e muitos segundos lugares, sobretudo, durante a década de 70, o Benfica, finalmente, em 1980-81, festeja o seu primeiro título de voleibol masculino. Tantas e tantas oportunidades teve no passo para obter este desiderato. Finalmente, no início da década de 80, puderam festejar como nunca. Depois, seria preciso mais uma década para o segundo e em 2004-05 o terceiro. Isto é apenas uma curiosidade: a equipa lisboeta tem cinco campeonatos conquistados e 14 Taças de Portugal ganhas, isto quer dizer que teve sempre mais engenho na taça do que no escalão máximo do voleibol português; por isso lideram o ranking de triunfos na prova a eliminar. No campeonato têm muito que aprender relativamente à eficácia e ao aproveitar quando se pode o ganhar. Até as senhoras, há muito extintas no clube, têm quase o dobro dos títulos dos homens.

cev

Campeões em ambos os géneros: Leixões, voleibol, 1963-64, masculinos; 1964-65, femininos

1963-64, I Divisão Voleibol J V D SETS P
1-Leixões 8 7 1 22-8 15
2-Sporting Espinho 8 6 2 21-11 14
3-Lisboa e Ginásio 8 4 4 19-14 12
4-Benfica 8 3 5 11-16 11
5-Académica 8 0 8  0-24  8

Um título um pouco surpreendente, pois o Leixões nas duas épocas anteriores tinha participado na II Divisão, vencendo mesmo esse troféu em 1961-62. Assim, num percurso quase imaculado, tendo perdido apenas um jogo, somando sete vitórias, alcançando o seu primeiro campeonato. Primeiro de oito; ainda hoje, apesar de o seu último título ter sido em 1988-89, é o quarto clube com mais campeonatos, só ultrapassado pelo FC Porto, com nove, o Técnico com 13 e o Sporting Espinho com 18. E é o segundo clube com mais presenças no escalão máximo de voleibol, só melhorado pelos espinhenses.

fpv 2

1964-65, I Divisão Voleibol Feminino J V D SETS P
1-Leixões 8 7 1 21-5 15
2-Benfica 8 6 2 20-8 14
3-Sporting Espinho 8 4 4 16-15 12
4-CDUL 8 3 5 11-17 11
5-Arte e Recreio 8 0 8  1-24  8

Este título, primeiro do Leixões na vertente feminina, não foi tão surpreendente com o masculino, pois estas já tinham sido vice-campeãs em épocas anteriores. Tinham participado nas cinco edições antes desta. Ainda hoje, as leixonenses são de longe a equipa com mais presenças no escalão máximo de voleibol feminino. E isto foi o primeiro título de quinze, que permite ao Leixões ser o clube com mais títulos nas senhoras de voleibol, apesar de o último ter sido em 1991-92. Este foi o primeiro, o culminar de um trabalho de meia década, pois em anos anteriores, já tinham andado perto. Assim, conseguiram em dois anos seguidos, ser campeões em homens e mulheres, o seu primeiro em ambos. Foi o clube que mais rapidamente venceu o seu primeiro troféu em ambos em géneros: 1963-64, masculinos; 1964-65, femininos.

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑