Boavista foi Boavistão uma última vez, 2001-02, 2ºlugar, vice-campeão nacional

fpf 12

 

 

2001-02 J V E D GOLOS P
1-Sporting 34 22  9  3 74-25 75
2-Boavista 34 21  7  6 53-20 70
3-FC Porto 34 21  5  8 66-34 68
4-Benfica 34 17 12  5 66-37 63
5-Belenenses 34 17  6 11 54-44 57
6-Marítimo 34 17  5 12 48-35 56
7-União Leiria 34 15 10  9 52-35 55
8-Paços Ferreira 34 12 10 12 41-44 46
9-Vitória Guimarães 34 11  9 14 35-41 42
10-Sporting Braga 34 10 12 12 43-43 42
11-Beira-Mar 34 10  9 15 48-56 39
12-Gil Vicente 34 10  8 16 42-56 38
13-Vitória Setúbal 34  9 11 14 40-46 38
14-Santa Clara 34  9 10 15 32-46 37
15-Varzim 34  8  8 18 27-55 32
16-Salgueiros 34  8  6 20 29-71 30
17-Farense 34  7  7 20 29-63 28
18-Alverca 34  7  6 21 39-67 27
             

 

2001-02, Boavista Vice-Campeão CASA FORA
Sporting 0-0 0-2
FC Porto 2-0 1-4
Benfica 1-0 1-2
Belenenses 2-0 2-0
Marítimo 0-1 0-0
União Leiria 1-0 1-0
Paços Ferreira 5-0 1-0
Vitória Guimarães 0-0 0-2
Sporting Braga 3-0 2-0
Beira-Mar 3-0 3-0
Gil Vicente 0-0 3-0
Vitória Setúbal 4-1 1-1
Santa Clara 2-0 2-0
Varzim 1-2 2-0
Salgueiros 2-1 1-1
Farense 1-1 2-1
Alverca 2-0 2-1
CASA FORA
V E D GOLOS V E D GOLOS
11 4 2 29-6 10 3 4 24-14
TOTAL
J V E D GOLOS P
34 21 7 6 53-20 70

 

Mais uma vez, o Boavista foi Boavistão ao terminar o campeonato no segundo lugar! Esta foi a terceira e última vez que o clube portuense terminou com o título de vice-campeão, igualando os azuis de Belém neste setor. Apesar de ambos terem um título conquistado, o desempate faz-se a favor do Belenenses, enquanto o Boavista só terminou duas vezes em terceiro lugar, os lisboetas fizeram-no por mais de dez vezes. No entanto, são, na história do escalão máximo do futebol português, os principais opositores dos três grandes, o que mais luta lhes deram e mais se intrometeram.

O Boavista conseguiu um feito único: dez vitórias fora de casa.  Não fossem os percalços em casa, ao cederam um empate em casa frente ao Farense que desceu de divisão, o mesmo ocorrido, mas fora, contra o Salgueiros, também relegado; e, ainda  a derrota frente ao 15ºclassificado, o Varzim, os boavisteiros podiam ter, talvez, feito o bi.

Com jogadores, orientados por Jaime Pacheco, como Pedro Emanuel, Petit, Ricardo, Sanchez, Silva, Martelinho, Duda, Serginho Baiano, Frechaut, o Boavista fez da sua defesa um baluarte, ao sofrerem apenas vinte golos, também, recorde do clube. O ataque não era nada de especial, apenas marcaram 53 golos, todavia, com uma boa solidez defensiva, quase renovaram o título.

Salgueiros e Farense, dois clubes históricos do futebol português, ambos já participaram nas competições europeias, cada um respetivamente com 24 e 23 presenças na agora I Liga,  tiveram nesta temporada a última presença a este nível. O Belenenses fez aqui a sua melhor época desde 1987-88, onde acabou no pódio (última vez no seu historial), ficando em quinto lugar, os anos seguintes, à  exceção de 2006-07, onde ficou em quinto e foi a final da taça, não foram dignos do historial deste clube!

Anúncios

Boavista: Boavistão, 1991-92, quarta final, quarta vitória na Taça de Portugal

O Boavista foi mais uma vez Boavistão e venceu a Taça de Portugal! O que não deixa de ser curioso é que, em 1991-92, era a quarta final nesta prova e a eficácia continuava a ser de assinalar, quarta vitória, isto é, até então tinha festejado todas as vezes que aí chegara! Atualmente continua a ter uma grande dose de alegria, pois, em seis, venceu cinco, o que para qualquer clube seria sempre fantástico!

Ainda mais, depois da vitória em 1974-75, frente ao Benfica; em 1978-79, frente ao Sporting (após finalíssima); em 1991-92, desta vez contra o FC Porto, o Boavista fez o que mais nenhum clube conseguiu na história da Taça de Portugal, ou seja, festejou contra cada um dos 3 grandes, ganhando-lhes a final.  Mais ninguém o fez!

Em 1974-75, derrotaram o Benfica na final; em 1992-93, foram varridos pelo Benfica, perdendo por 5-2 (até à data única derrota do Boavista em finais desta prova); em 1996-97, novo triunfo frente ao Benfica, por 3-2. Isto significa uma coisa: três finais com os lisboetas, duas vitórias. É até hoje, a única equipa que disputou mais que uma final com os encarnados e com um saldo positivo. O outro clube neste ramo deste desporto é o Vitória Guimarães, que, em 2012-13, também, bateu este grande por 2-1, mas, ao contrário do Boavistão, esta foi uma final inédita, não houve no passado e veremos se haverá no futuro; todavia, não deixa de se realçar o mérito dos vimaranenses, pois, há muitas equipas que perderam finais com o Benfica e nunca mais as voltaram a jogar!

O Boavista disputou seis finais da Taça de Portugal, venceu cinco e perdeu uma. Dessas cinco, quatro foram contra os 3 grandes, a outra foi frente ao Vitória Guimarães. Isto demonstra que o Boavistão não só não acusa a pressão em jogos deste tipo, como se transcende, derrotando os favoritos, epíteto que os três grandes quase sempre têm na antevisão de qualquer final.

fpf 11

 

ÉPOCA   FASE ATINGIDA ADVERSÁRIO RESULTADO
         
Boavista:      
1991-92, Taça Portugal      
    4ªeliminatória Lourosa 2-0
    5ªeliminatória União Madeira 3-1
    Oitavos-de-final Freamunde 3-0
    Quartos-de-final Gil Vicente 1-0
    Meias-finais Benfica 2-1*
    FINAL FC Porto 2-1
         
Onze principal: Alfredo; Paulo Sousa, Barny, Samuel e Fernando Mendes; Casaca, “Bobó”, Tavares e Marlon; João Pinto e Ricky
         
Marcha do marcador: 1-0, por Marlon (32m); 1-1, por Jaime Magalhães (52m); 2-1, por Ricky (55m)
 
         
* jogos no recinto adversário; +campo neutro

Benfica, 1972-73, tricampeão nacional, campeão sem derrotas e 101 golos marcados

fpf 10

 

 

A temporada de 1972-73 ficou marcada por seis aspetos: o primeiro, foi o Benfica ser campeão sem derrotas, feito então inédito no futebol nacional; o segundo, foi pela ultima vez um clube marcou cem golos ou mais e apenas sofreu treze, recorde à altura; terceiro, o Belenenses surpreendeu e foi vice-campeão, mas ficou a uns distantes 18 pontos, a vitória valia dois pontos, se fosse à pontuação de hoje, seriam 32 pontos de diferença (!); o quarto foi o quarto lugar do FC Porto, isto significou que os portistas não se qualificaram para as competições europeias, última ocasião que tal se verificou;  o quinto foi  algo inédito, um pódio apenas com um grande, coisa que se verificou apenas mais uma vez, em 1975-76; o sexto foi Eusébio marcou 40 golos e venceu a bota de ouro pela segunda e última vez  na sua carreira, Fernando Gomes seria o seu sucessor na década de 80.

Uma campanha onde em 30 jogos, venceram 28, e empataram dois, frente ao FC Porto e frente ao Atlético, este um pouco surpreendente pois os alfacinhas desceram de divisão. Vitórias sempre concludentes na maior parte dos casos, nem o Belenenses, segundo classificado disso escapou, o Sporting foi goleado por 4-1, os portistas apesar de terem falhado o acesso à UEFA, ainda foi o que mais luta deu, perdendo por 3-2 na Luz e impondo um empate a dois nas Antas.   De resto, um passeio! Um dos confrontos mais equilibrados foi frente ao União Tomar, uma vitória tangencial e outra por “apenas” dois golos. Só para exemplificar, o Beira-Mar foi varrido por 9-0, o Vitória Guimarães, 8-0, o Belenenses 5-0, União Coimbra 6-1, Leixões e Montijo 6-0; em suma, um passeio até ao tri!

Por fim, União Coimbra, teve aqui a sua única atuação na então I Divisão, acabando em 14º e relegado na liguilha, um oásis no meio do deserto da história do clube coimbrão, que em muitas vezes teve perto disto, mas tal só ocorreu em 1972-73.

 

1972-73 J V E D GOLOS P
1-Benfica 30 28  2  0 101-13 58
2-Belenenses 30 14 12  4  53-30 40
3-Vitória Setúbal 30 16  6  8  65-26 38
4-FC Porto 30 15  7  8  56-28 37
5-Sporting 30 15  7  8  57-31 37
6-Vitória Guimarães 30 11 11  8  38-38 33
7-Boavista 30 12  7 11  41-47 31
8-CUF 30 11  8 11  38-37 30
9-Leixões 30 11  8 11  32-45 30
10-Barreirense 30  9  7 14  43-64 25
11-Farense 30  8  8 14  27-53 24
12-Beira-Mar 30  5 13 12  27-57 23
13-Montijo 30  9  5 16  29-47 23
14-União Coimbra 30  5  7 18  22-54 17
15-Atlético 30  4  9 17  27-52 17
16-União Tomar 30  6  5 19  35-69 17
             

 

1972-73, Benfica CAMPEÃO CASA FORA
Belenenses 5-0 2-0
Vitória Setúbal 3-0 1-0
FC Porto 3-2 2-2
Sporting 4-1 2-1
Vitória Guimarães 8-0 2-1
Boavista 4-1 3-1
CUF 2-0 1-0
Leixões 6-0 5-1
Barreirense 3-0 3-0
Farense 3-0 5-0
Beira-Mar 9-0 2-1
Montijo 6-0 1-0
União Coimbra 6-1 4-0
Atlético 2-0 0-0
União Tomar 2-1 2-0
CASA FORA
V E D GOLOS V E D GOLOS
15 0 0 66-6 13 2  0 35-7
TOTAL
J V E D GOLOS P
30 28 2 0 101-13 58

Benfica bi-campeão em 1963-64, curiosidade: 103 golos marcados, recorde do clube

fpf 9

 

Numa época pobre a nível europeu, ainda mais com o sucesso das três anteriores temporadas, três finais seguidas da Taça dos Campeões, onde foi eliminado nos oitavos-de-final (então segunda eliminatória da prova), pelo Borússia Dortmund, sendo esmagado na RFA, perdendo por 5-0, o Benfica foi claramente campeão, seis pontos da avanço, agora seriam onze pontos, na altura a vitória só valia dois não três pontos como agora e, sobretudo, estabeleceu o seu recorde de golos numa só época: 103, ainda, hoje, segundo maior registo de sempre.

Duas vitórias por 8-0, uma por 8-1 e um chapa dez ao Seixal, clube que teve aqui a sua primeira de duas presenças no escalão máximo, consecutivas. Mais algumas goleadas como 7-0 ao Leixões e alguns vitórias com cinco dígitos; em resumo, uma época onde o Benfica passeou contra quase todos os adversários, os únicos que lhe causaram problemas foram o FC Porto, dois empates, e o Sporting, que , lhes infligiram a única derrota no campeonato e um empate na Luz.

Um final de época de glória para os lisboetas, pois, alcançaram a dobradinha, esmagando o FC Porto na final por 6-2.

Finalmente, destaca-se o quinto lugar da CUF (agora Fabril de Barreiro), uma boa temporada que na época seguinte levou os cufenses ao pódio do campeonato, isto é, terminaram em terceiro lugar em 1964-65. Os vimaranenses acabaram no quarto lugar, um lugar honroso, já que, era, então, apenas a segunda vez que tão alto se classificavam.

 

 

1963-64 J V E D GOLOS P
1-Benfica 26 21  4  1 103-26 46
2-FC Porto 26 16  8  2  51-20 40
3-Sporting 26 13  8  5  49-26 34
4-Vitória Guimarães 26 16  2  8  62-42 34
5-CUF 26 12  6  8  46-33 30
6-Belenenses 26 12  6  8  46-36 30
7-Vitória Setúbal 26 12  5  9  46-41 29
8-Leixões 26  8  9  9  34-44 25
9-Académica 26 11  3 12  43-48 25
10-Varzim 26  8  4 14  37-57 20
11-Lusitano Évora 26  5  4 17  22-51 14
12-Seixal 26  4  6 16  28-66 14
13-Olhanense 26  2  8 16  20-57 12
14-Barreirense 26  4  3 19  22-62 11

 

1963-64, Benfica CAMPEÃO CASA FORA
FC Porto 2-2 1-1
Sporting 2-2 1-3
Vitória Guimarães 2-1 4-1
CUF 2-1 3-0
Belenenses 5-2 1-1
Vitória Setúbal 5-2 4-2
Leixões 7-0 5-1
Académica 3-0 5-1
Varzim 8-0 2-0
Lusitano Évora 2-0 3-1
Seixal 10-0 3-2
Olhanense 8-1 3-0
Barreirense 8-0 4-2
CASA FORA
V E D GOLOS V E D GOLOS
11 2 0 64-11 10 2 1 39-15
TOTAL
J V E D GOLOS P
26 21 4 1 103-26 46

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑